General é expulso do Exército chileno após apoio a Pinochet

Um general-de-divisão do Exército do Chile recebeu baixa da instituição militar após afirmar em entrevista que defendeu a causa de Augusto Pinochet e continua "compartilhando-a", informaram nesta sexta-feira fontes militares.O general Ricardo Hargreaves, era chefe da 5ª divisão doExército, assentada na cidade de Punta Arenas (sul), e tinha sido recentemente designado chefe da guarnição militar deSantiago, cargo que assumiria nesta quinta-feira.Na última terça-feira, em meio ao funeral do ex-ditador, morto nodomingo, o jornal La Prensa Austral, de Punta Arenas, publicou declarações do general Hargreaves nas quais dizia: "Eu participei da causa de Pinochet e continuo compartilhando-a"."Devemos muitas coisas a ele, não somente como Exército, mas comopaís", afirmou o militar, acrescentando que seu sentimento frente à morte de Pinochet era "de reconhecimento de um grande homem, que foi capaz de assumir uma grande responsabilidade em um momento no qual o país estava convulsionado e em colapso".O militar assegurou que teve uma relação próxima com o ditador."Praticamente fiz minha carreira com ele", disse Hargreaves,explicando que "seu carisma, sua liderança, sua visão e sua vontade de levar o país adiante" lhe chamaram a atenção.Fontes do Exército disseram que o comandante-em-chefe dainstituição, o general Ricardo Izurieta, soube das declarações deHargreaves nas últimas horas desta quinta-feira e decidiuimediatamente que ele deveria ser afastado da corporação.As fontes acrescentaram que Hargreaves admitiu as declarações,assumiu sua responsabilidade e acatou a decisão do general Izurieta, que posteriormente comunicou o que houve ao governo que manifestou seu respaldo à decisão.Hargreaves é o segundo oficial do Exército chileno a ser afastadoapós a morte de Pinochet. O primeiro foi o capitão Augusto Pinochet Molina, neto do ditador, que durante o funeral defendeu o golpe militar de 1973. Também atacou os juízes que processaram o general por violações dos direitos humanos e corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.