General indonésio é condenado por crimes no Timor Leste

Uma corte de Jacarta, capital da Indonésia, condenou o general Adam Damiri a três anos de prisão pelos atos de vandalismo e destruição cometidos no Timor Leste depois de que um plebiscito, patrocinado pela ONU em 1999, decidiu pela independência do território. A percepção geral era de que a corte absolveria Damiri, pois a própria promotoria chegou a pedir que fossem retiradas as acusações contra ele, devido a uma suposta falta de evidências. Damiri disse que apelaria do veredicto. Alguns juristas prevêem que a decisão de hoje será discretamente revertida numa instância superior. Damiri continuará livre durante a apelação. Ele é o militar de mais alta patente envolvido na repressão indonésia às aspirações de independência do Timor Leste."Depois desse veredicto, sentimos que a ONU e os Estados Unidos deveriam voltar sua atenção para o estabelecimento de um tribunal permanente de crimes de guerra", disse John Miller, porta-voz da Rede de Ação do Timor Leste, um grupo de defesa dos direitos humanos estabelecido nos EUA.Funcionários da ONU acusam o Exército indonésio de ter treinado, equipado e comandado milícias paramilitares que cometeram a maior parte das atrocidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.