Washington Post / Jabin Botsford
Washington Post / Jabin Botsford

Genro de Trump admite quatro reuniões com funcionários russos, mas nega complô

Jared Kushner diz a investigadores no Senado que não tentou influenciar eleição de novembro, na qual a democrata Hillary Clinton foi derrotada

Cláudia Trevisan, Correspondente / Washington, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2017 | 10h03
Atualizado 24 Julho 2017 | 20h56

O genro do presidente Donald Trump, Jared Kushner, disse nesta segunda-feira que teve quatro contatos com representantes russos durante a disputa presidencial de 2016 e o período de transição para o novo governo. Ele negou que tenha conspirado com Moscou para influenciar a eleição na qual Hillary Clinton foi derrotada. 

Kushner foi o primeiro integrante da família Trump e o mais próximo assessor do presidente a depor a senadores que investigam os esforços da Rússia para prejudicar a candidata democrata e influenciar o resultado da votação. Casado com Ivanka Trump, Kushner foi questionado em uma sessão fechada no Senado, sem prestar juramento.

“Não conspirei, nem sei de ninguém mais na campanha que tenha conspirado, com qualquer governo estrangeiro”, declarou depois da sessão. “Não contei com fundos russos para financiar minhas atividades empresariais no setor privado.”

Em declaração escrita divulgada antes de seu depoimento, Kushner reduziu a importância do encontro que teve com um grupo de russos na Trump Tower, em Nova York, em 9 de junho de 2016, ao lado de Donald Trump Jr. e do então coordenador da campanha republicana, Paul Manafort. 

Segundo ele, a reunião foi organizada por seu cunhado e registrada em seu calendário como “Encontro Don Jr./Jared Kushner”. E-mails divulgados pelo filho mais velho do presidente há duas semanas mostram que a reunião foi marcada por sugestão do publicitário britânico Rob Goldstone.

Em mensagem enviada a Trump Jr. em 3 de junho de 2016, ele disse que conhecia pessoas na Rússia que tinham informações comprometedoras contra Hillary. “Isso é obviamente informação de alto nível e sensível, mas é parte do apoio da Rússia e de seu governo ao sr. Trump”, escreveu.

Em 8 de junho, Trump Jr. enviou mensagem a Kushner e Manafort sobre o encontro, abaixo da qual estavam os e-mails que havia trocado com Goldstone. Kushner sustentou não ter lido o conteúdo das mensagens, que tinham como assunto “Rússia–Clinton: privado e confidencial”. Quando chegou ao encontro, atrasado, uma advogada russa estava discutindo a suspensão de adoções de crianças de seu país por americanos. 

Kushner disse ter encontrado uma desculpa para deixar a reunião antes de ela ser concluída. “Nenhuma parte do encontro de que eu participei incluiu qualquer coisa sobre a campanha, não houve seguimento do encontro de que eu tenha conhecimento, não me lembro quantas pessoas estavam presentes (ou os seus nomes) e não tenho conhecimento de que documentos tenham sido oferecidos ou aceitos.”

Durante a campanha, Kushner teve dois encontros com o embaixador russo nos EUA, Serguei Kislyak. O primeiro ocorreu em abril de 2016, quando ambos foram apresentados, e durou cerca de 1 minuto, segundo seu relato. O genro do presidente voltou a conversar com Kislyak em 1.º de dezembro, durante a transição. 

A reunião teve a participação de Michael Flynn, que seria demitido do cargo de conselheiro de Segurança Nacional por omitir contatos posteriores com o mesmo diplomata. Na discussão com Kushner, o embaixador disse que generais russos tinham informações relativas à política dos EUA para a Síria que gostariam de transmitir a integrantes da nova administração. 

Como os militares teriam dificuldade para viajar aos EUA, ele perguntou se havia uma linha telefônica “segura” para uma conversa com a equipe de transição. Flynn respondeu que não. Kushner perguntou a Kislyak se Flynn poderia usar os canais de comunicação existentes na embaixada russa em Washington, o que seria extremamente inusual. O enviado de Moscou afirmou que não seria possível.

O quarto encontro de Kushner com russos ocorreu em 13 de dezembro, quando ele recebeu o presidente do banco estatal do país, Serguei Gorkov, a pedido de Kislyak. Todos os encontros foram omitidos do formulário apresentado pelo genro de Trump para obter suas credenciais de segurança na Casa Branca. Segundo ele, o erro ocorreu por falhas de seu assessor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.