George Clooney pede atenção do mundo para Darfur

Nesta sexta-feira, o ator americano George Clooney descreveu os horrores que ele testemunhou quando visitou a região de Darfur, no Sudão, durante uma entrevista à BBC em Nova York. Clooney disse que a região precisa urgentemente de intervenção internacional, com envio de tropas de paz, para coibir o crescente número de assassinatos e estupros e a limpeza étnica.Pelo menos 200 mil pessoas já morreram na região e cerca de outros 2,5 milhões estão desabrigadas, fugindo da violência das milícias Janjaweed, que perseguem a população africana local. Em entrevista à jornalista da BBC Laura Trevelyan, Clooney disse que todas as pessoas com quem ele falou em Darfur tinham tido algum membro da família atingido pela violência. ?Não é somente uma guerra o que está acontecendo no Sudão?, disse Clooney. ?Se trata de limpeza étnica?, afirmou o ator, que disse que as tropas de paz são necessárias para obrigar todas as partes a cumprir o acordo de cessar-fogo assinado em maio.Clooney também falou de suas recentes viagens à China e Egito, dois países que ele acredita que possam fazer mais para encorajar o Sudão a aceitar a presença das tropas de paz das Nações Unidas. ResponsabilidadeEm Washington, a secretária de Estado Americana, Condoleezza Rice, alertou o Sudão sobre a responsabilidade que terá no caso de não aceitar a presença das tropas de paz. Apesar da presença de sete mil soldados da União Africana na região, a violência aumentou nas últimas semanas.Também na sexta-feira, um grupo de seis agências de ajuda humanitária anunciou que tiveram de sair do país em decorrência de ?dificuldades sem precedentes? na região de Darfur. O grupo, que conta com a Oxfam, o Comitê de Resgate Internacional, Goal, Concern, World Vision e o Conselho de Refugiados da Noruega, disse que eles próprios estavam começando a se transformar em alvos diretos da violência.O conflito em Darfur já vem desde 2003, quando uma rebelião local provocou uma reação por parte do governo e de milícias paramilitares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.