George Clooney pede congelamento das contas do líder do Sudão

Para o ator, que acaba de voltar do país, bloqueio dos bens de Omar al-Bashir pressionaria o governo sudanês a realizar mudanças.

BBC Brasil, BBC

13 de outubro de 2010 | 22h27

Para ator, EUA devem liderar esforços para prevenir nova guerra no país

O ator americano George Clooney pediu nesta quarta-feira que autoridades internacionais congelem as contas do presidente do Sudão, Omar al-Bashir. O sudanês teve a prisão decretada pelo Tribunal Penal Internacional, acusado de cometer genocídio e crimes de guerra em Darfur, oeste do país.

Clooney, que é mensageiro da paz da ONU e acaba de voltar de viagem ao Sudão, disse à BBC que congelar as contas de Bashir no exterior seria um meio efetivo de pressionar o governo sudanês.

"Bashir está guardando o seu dinheiro em libras sudanesas. Deveríamos estar congelando essas contas, se você realmente quiser fazê-lo, se você realmente quiser pressioná-lo."

Bashir é acusado de armar milícias que promoveram matanças em Darfur. Segundo estimativas da ONU, cerca de 35 mil pessoas foram mortas na região desde 2003, e outras 300 mil morreram de fome e doenças. No mesmo período, 2,7 milhões deixaram suas casas.

Norte X sul

Clooney também sugeriu que os Estados Unidos liderem um esforço diplomático para que o norte e sul do Sudão resolvam suas diferenças antes que uma nova guerra se inicie.

Está marcado para janeiro um referendo no sul do país, para decidir se a região se separará do norte. Sudaneses do sul (em geral, cristãos ou seguidores de religiões animistas) e do norte (na maioria muçulmanos sob influência do mundo árabe) têm vivido em conflito ao longo de boa parte das últimas décadas.

No entanto, analistas avaliam que uma eventual separação, que daria origem a um novo país, pode acirrar os ânimos e provocar outra guerra civil.

"Nós ajudamos bastante no acordo de paz de 2005, então sabemos que há um caminho para fazê-lo. Em algum momento, você terá de sentar e negociar um acordo. Você pode fazê-lo após um monte de pessoas serem mortas, você pode fazê-lo após uma guerra, ou você pode fazê-lo agora. E nós temos uma oportunidade agora", disse Clooney.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.