AP Photo/Seth Wenig
AP Photo/Seth Wenig

George W. Bush afirma que há evidências claras que os russos interferiram nas eleições de 2016

Ex-presidente evitou apontar se ingerência afetou os resultados, e ressaltou que ‘é problemático que uma nação estrangeira esteja envolvida’ no sistema eleitoral dos EUA

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 14h38

WASHINGTON - O ex-presidente dos EUA George W. Bush afirmou que há "evidências bastante claras que os russos interferiram" nas eleições presidenciais de 2016, mas evitou apontar se isso afetou os resultados, informou nesta quinta-feira, 8, a imprensa americana.

+ Trump acusa o FBI de ter politizado as investigações a favor dos democratas

As declarações de Bush foram feitas durante uma conferência econômica em Abu Dhabi. "Se a Rússia afetou o resultado, é outra questão", disse o ex-presidente americano, que ocupou o cargo entre 2001 e 2009.

+ Retorno de dinastia dos Kennedy dá novo ânimo ao partido Democrata

Bush afirmou que "é problemático que uma nação estrangeira esteja envolvida" no sistema eleitoral americano, por considerar que a bondade da democracia depende da "confiança dos cidadãos nos resultados".

Nos EUA existe uma investigação aberta pelo Departamento de Justiça sobre a suposta intervenção do governo russo nas eleições de 2016 para favorecer o republicano e atual presidente, Donald Trump, frente à sua então rival democrata, Hillary Clinton.

O governante rechaçou qualquer vínculo com o Kremlin e qualificou a trama russa como "uma caça às bruxas".

Até o momento, a investigação liderada pelo procurador especial Robert Mueller levou à acusação de quatro pessoas relacionadas a Trump: o seu ex-assessor de segurança na Casa Branca Michael Flynn; o seu ex-chefe de campanha Paul Manafort; o seu "número dois" na campanha, Rick Gates, e outro ex-assessor George Papadopoulos, que trabalhou para o magnata durante as eleições. / EFE

Reveja: Opositora russa de Putin faz campanha em Washington

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.