Departamento de Correção da Geórgia
Departamento de Correção da Geórgia

Estado americano da Geórgia nega clemência e executará mulher esta noite

Kelly Renee Gissendaner, de 46 anos e mãe de três filhos, foi condenada à pena de morte por planejar e conspirar em 1997 a morte de seu marido

O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2015 | 07h00

ATLANTA - (Atualizada às 16h40) A Comissão de Perdão e Liberdade Condicional do Estado da Geórgia negou, na tarde desta terça-feira, 29, clemência para Kelly Renee Gissendaner e ela será executada hoje às 19h (locais, 20h de Brasília). Kelly é a única mulher atualmente no corredor da morte no Estado e será a primeira a ser executada em 70 anos na Geórgia e a 16ª no país desde que os EUA retomaram a pena de morte em 1976.  

Sua execução estava prevista para março, mas o procedimento foi adiado na última hora devido a um problema com o produto químico utilizado na injeção letal.

A mulher, de 46 anos e mãe de três filhos, foi condenada à pena de morte por planejar e conspirar em 1997 a morte de seu marido, Doug Gissendaner, junto ao amante, Gregory Bruce Owen. Owen, que foi o autor material do assassinato, foi condenado à prisão perpétua após depor contra Gissendaner no julgamento.

De acordo com o Centro de Informação sobre a Pena Capital (DPIC), nos últimos 100 anos foram executadas mais de 40 mulheres nos EUA. Até outubro de 2014, havia 57 mulheres no corredor da morte em todo o país. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.