Geórgia inicia julgamento de militares russos por espionagem

O julgamento dos quatro agentes doServiço de Inteligência Militar (GRU) da Rússia acusados deespionagem começou nesta sexta-feira a portas fechadas na capital da Geórgia, emmeio a um conflito diplomático que explodiu entre os dois países. "As acusações são graves e os russos podem ser condenados alongas penas de prisão", afirmou nesta sexta-feira Guivi Targamadze, presidentedo Comitê Parlamentar de Segurança e Defesa Nacional. Os quatro oficiais russos - três coronéis e um major -, detidosna quarta-feira em Tbilisi e na base militar russa de Batumi, nolitoral do Mar Negro, serão representados por um advogado russo erepresentantes legais do consulado da Rússia. Segundo fontes judiciais, os militares russos podem ficar detidosdois meses em prisão preventiva, à espera do julgamento definitivoou de uma solução diplomática entre os dois países. Aparentemente, os agentes do GRU reuniram informações "sobre oprograma de cooperação da Geórgia com a Otan, a situação desegurança energética, os partidos de oposição, a importação dearmamento e as comunicações por via férrea e marítima". A Geórgia libertou nesta sexta-feira um quinto militar russo que havia sidodetido, por se tratar de um soldado que trabalhava como motoristapara os oficiais destinados na base de Batumi. A Rússia, além de exigir a "imediata" libertação dos quatroagentes do GRU, se nega a entregar o coronel Konstantín Pichuguin àsautoridades georgianas. O militar está no quartel-general das forçasrussas em Tbilisi. Moscou apresentou nesta sexta-feira no Conselho de Segurança da ONU um projetode declaração no qual acusa a Geórgia de violar as resoluções da ONUe os acordos existentes a respeito das regiões separatistas daAbkházia e Ossétia do Sul. "A comunidade internacional e, em particular, o Conselho deSegurança da ONU, deve pressionar as autoridades georgianas para quedeixem de instigar a tensão na região", afirmou Vitali Churkin,embaixador russo perante a ONU. Um avião Il-76 sairá de Tbilisi esta tarde co o primeiro grupode cem diplomatas russos destacados na capital georgiana, enquanto oembaixador foi chamado a Moscou para consultas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.