Geórgia liberta quatro militares russos detidos

Numa aparente tentativa de amenizar a crescente tensão com a Rússia, o governo da ex-república soviética da Geórgia libertou nesta segunda-feira quatro militares russos acusados de espionagem.A libertação foi prometida horas antes por Tbilisi com base em um acordo mediado pela Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).O presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, disse nesta segunda-feira que a detenção dos militares russos não foi um gesto de desafio à Rússia. "Neutralizamos uma rede de espionagem e atuamos dentro das normas internacionais", assinalou.Ao mesmo tempo, porém, a Rússia adotou sua primeira medida retaliatória contra a Geórgia desde a deflagração, na semana passada, da pior crise entre Moscou e Tbilisi desde a queda União Soviética.De acordo com informações divulgadas pela imprensa, o governo russo suspenderia todas as conexões postais e de transportes entre os dois países, numa medida que pode exacerbar a tensão entre Moscou e Tbilisi.Horas mais cedo, a Geórgia havia prometido libertar os quatro russos detidos. Os militares, todos acusados de espionagem, foram entregues a representantes da OSCE em Tbilisi, a capital georgiana.Numa cerimônia mostrada ao vivo pela televisão local, promotores mantiveram as acusações de espionagem e disseram que os quatro estão proibidos de entrar na Geórgia no futuro.A detenção dos quatro militares russos, na semana passada, enfureceu Moscou, que colocou em alerta suas forças na Geórgia, convocou para consultas seu embaixador e providenciou a retirada de seus cidadãos do país vizinho.Saakashvili afirmou que o bloqueio russo por terra, ar e mar imposto nesta segunda-feira à Geórgia "não será eficaz" e representa "algo inadmissível para o mundo civilizado". "Não tememos que a Rússia empreenda ações militares contraGeórgia e negamos as afirmações de que nós nos preparamos para aguerra", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.