Geórgia propõe cessar-fogo na Ossétia do Sul

O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, propôs hoje um cessar-fogo na província separatista da Ossétia do Sul. Segundo o secretário do Conselho de Segurança, Alexander Lomaia, a proposta significa que o exército da Geórgia poderá ser retirado da capital de Tskinvali e a resposta aos bombardeios russos suspensa. O presidente da Geórgia fez a proposta de cessar-fogo pouco depois de seu Parlamento ter endossado um decreto introduzindo lei marcial por 15 dias e de o exército da Rússia ter ampliado sua ofensiva, com o envio de centenas de tanques e homens para a Ossétia do Sul e bombardeio de cidades da Geórgia. O exército russo já havia declarado a expulsão das forças georgianas de Tskinvali.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse, em Pequim, que a ampliação dos ataques para além da zona do conflito - a Ossétia do Sul - está colocando em risco a paz na região e pediu o fim da violência. Os EUA são aliados da Geórgia. Bush se disse preocupado e pediu o fim dos bombardeios russos. Segundo ele, o governo americano está trabalhando com seus aliados europeus para lançar um esforço de mediação internacional e com representantes de ambos lados do conflito para retomar o diálogo.O conflito entre o exército da Geórgia e o russo foi iniciado ontem, depois de a Geórgia ter lançado ofensiva para retomar o controle da província separatista, detonando uma resposta da Rússia, que mantém próxima relação com a Ossétia do Sul. Em Moscou, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Servey Labrov, disse que cerca de 1,5 mil pessoas morreram e que esse número poderia ser maior hoje. As informações são de agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.