Rob Carr/AFP
Rob Carr/AFP

Geórgia, Tennessee e Carolina do Sul dizem que as empresas podem reabrir em breve

Estados americanos começam a flexibilizar distanciamento social para reabrir economias

Rick Rojas e Michael Cooper / The New York Times, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2020 | 10h56

ATLANTA - Os moradores da Geórgia, nos Estados Unidos, terão permissão para voltar à academia, cortar o cabelo e até fazer tatuagens na próxima sexta. Na segunda, já vão poder jantar novamente em restaurantes e ir ao cinema.

Com esse anúncio, o governador da Geórgia, Brian Kemp, juntou-se a autoridades de outros Estados que estão avançando com planos de relaxar as restrições destinadas a conter a disseminação do coronavírus, apesar dos sinais de que o surto está apenas começando a atingir algumas partes do país. 

No Tennessee, o governador Bill Lee afirmou que não estenderia sua ordem de “segurança em casa”, que deve expirar em 30 de abril. Segundo seu gabinete, “a grande maioria das empresas em 89 municípios” terá permissão para reabrir em 1º de maio.

Kemp e Lee, ambos republicanos, estavam entre os governadores criticados por serem lentos em impor ordens de fechamento. Eles haviam expressado preocupação com as liberdades civis e com a tensão econômica que o fechamento da economia criaria. 

As empresas de Ohio também deverão reabrir nessa data. "Vamos fazer o que achamos certo e isso é tentar abrir essa economia", disse o governador Mike DeWine, de Ohio, no domingo. "Mas faça-o com muito cuidado para não matarmos muita gente". 

Em Ohio, uma prisão estadual tornou-se a maior fonte conhecida de infecções por coronavírus nos Estados Unidos, continuando uma tendência de surtos velozes em espaços fechados e lotados. As autoridades disseram que pelo menos 1.828 presos - quase três quartos - haviam testado positivo para o coronavírus na prisão em Marion, Ohio. "Quando a covid-19 entra no portão, ele se espalha e se espalha muito significativamente", disse o governador DeWine. 

Os números dentro das prisões provavelmente têm subnotificação porque algumas agências estaduais não divulgaram informações e outras não estão testando todos os que ficam doentes. 

Na Carolina do Sul, o governador Henry McMaster disse na segunda-feira que as lojas de departamento e algumas outras empresas de varejo que antes eram consideradas não essenciais poderiam reabrir na terça, mas devem seguir as diretrizes de distanciamento social. As pessoas também poderão ter acesso às praias públicas.

Testes 

Em todo o país, os governadores têm ponderado medidas para reabrir suas economias paralisadas. A falta de testes foi vista como um dos principais obstáculos. No briefing de coronavírus da Casa Branca na segunda, o presidente Donald Trump reagiu com desdém aos governadores que disseram ter lutado para acessar materiais de teste. 

"Alguns estados têm muito mais capacidade do que realmente acham", disse ele. "Esse é um assunto complexo, mas alguns dos governadores não o entenderam." Embora tenha havido sinais encorajadores de que o surto está começando a se estabilizar em algumas partes do país, a ameaça continua a crescer em outros estados e regiões. 

Mesmo em áreas onde o número de novos casos começa a diminuir, eles permanecem altos: Nova York, que na segunda registrou o menor número de testes positivos em um mês e o menor número de mortos em um dia em mais de duas semanas, ainda tinha 4.726 novos casos e 478 novas mortes. E o país adicionou mais de 25 mil novos casos por dia na semana passada.

Para Entender

'Aliança do Avestruz' - Quem são os autocratas que negam a pandemia?

Líderes de Nicarágua, Turcomenistão e Bielo-Rússia sofrem crítica interna incomum por ditar ordens contra isolamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.