EFE/ Erik S. Lesser
EFE/ Erik S. Lesser

Geórgia vai recontar, a mão, todos os cinco milhões de votos no Estado

Secretário do Estado disse que trabalhará com autoridades de todos os condados para concluir a recontagem a tempo de cumprir o prazo de 20 de novembro para certificar os resultados das eleições estaduais

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2020 | 14h45

ATLANTA - A Geórgia realizará uma recontagem estadual das cédulas na eleição entre o presidente Donald Trump e o presidente eleito Joe Biden, disse o secretário de Estado, Brad Raffensperger, um republicano.

Raffensperger disse que o Estado trabalhará com as autoridades de todos os condados para concluir a recontagem a tempo de cumprir o prazo de 20 de novembro para certificar os resultados das eleições estaduais.

Biden detém a liderança de mais de 14 mil votos no Estado. “Com a margem sendo tão estreita, será necessária uma recontagem manual completa em cada condado”, disse Raffensperger em uma entrevista coletiva.

Raffensperger, um republicano, disse que o Estado trabalhará com as autoridades do condado para concluir a recontagem a tempo de cumprir o prazo de 20 de novembro para certificar os resultados das eleições estaduais. “Levará todo o tempo que nos resta, com certeza”, disse ele.

Raffensperger havia telegrafado anteriormente que uma recontagem era provável no Estado, que tradicionalmente votou em candidatos presidenciais republicanos. Os apoiadores de Trump, incluindo o deputado republicano Doug Collins, no início desta semana pediram ao oficial da Geórgia uma recontagem manual dos resultados.

“Isso ajudará a aumentar a confiança. Será uma auditoria, uma recontagem e uma recanalização, tudo de uma vez”, disse Raffensperger. “Será um trabalho pesado, mas trabalharemos com os condados para fazer isso a tempo de nossa certificação estadual.”

Trump, no dia seguinte à eleição de 3 de novembro, afirmou falsamente que sua campanha “reivindicou, para fins de votação eleitoral”, a Geórgia e outros Estados.

Com Biden agora projetado para garantir mais do que os 270 votos eleitorais necessários para conquistar a presidência, Trump e seus conselheiros já exigiram recontagens em estados incluindo Geórgia e Wisconsin.

Eles também lançaram uma enxurrada de acusações de fraude eleitoral, sem citar evidências claras. Os advogados da campanha de Trump entraram com ações judiciais em vários estados importantes relacionados a essas reivindicações. Muitos desses casos já foram rejeitados pelos juízes.

Nesse ínterim, Trump se recusou a ceder a Biden e está alegando falsamente que ganhou a eleição. A transição do poder para uma administração Biden não pode começar formalmente até que a Administração de Serviços Gerais faça uma “verificação” do vencedor, o que até agora se recusou a fazer.

Raffensperger disse na entrevista coletiva que às 14h (horário de Brasília), ele vai declarar que a corrida presidencial em seu Estado está sujeita a uma "auditoria de limitação de risco."

“Estaremos contando cada folha de papel, cada cédula. cada votação legalmente lançada, legal”, disse ele.

Quando um repórter observou que tal auditoria geralmente envolve apenas uma amostra das cédulas, ao invés de todo o corpo de votos, Raffensperger disse: "você realmente tem que fazer uma recontagem manual completa de todas as [cédulas] por causa da margem está tão perto.”/New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.