Geração MTV e Universidade de Oxford criticam Blair

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, foi interrogado hoje sobre o Iraque por jovens de várias partes do mundo durante um programa gravado pela rede de televisão musical MTV. Blair afirmou que esperava uma "discussão legal" no decorrer de um fórum de 60 minutos, mas logo foi confrontado por jovens que demonstraram ceticismo com as políticas do premier para o Iraque e o terrorismo.Niklas Ergandt, um sueco de 25 anos, foi direto ao ponto. "Eu tenho condições de produzir antraz em meu banheiro... por que, então, você não bombardeia a Suécia?"Durante o programa - intitulado "A guerra é a resposta?" -, Ergandt foi acompanhado por 39 outros jovens, incluindo iraquianos, americano e britânicos.A audiência do debate também foi crítica, acusando Blair de mostrar "desdém absoluto" pela opinião pública e pelo povo iraquiano. Ele também foi acusado de fomentar o terrorismo, ao defender um ataque contra o Iraque sem fornecer evidências suficientes para justificar uma ação militar.Depois de negar que o principal objetivo de uma suposta guerra seria o controle do petróleo iraquiano, Blair disse que mesmo com a oposição de vários países no Conselho de Segurança da ONU, ele estaria pronto para tomar uma ação militar contra Saddam Hussein.Um dos participantes, o iraquiano Ammar Hassan, por sua vez, parabenizou Blair por sua "coragem e liderança" e pediu para que o premier removesse Saddam do poder. O programa da MTV, conduzido por Trevor Nelson, irá ao ar amanhã na Grã-Bretanha e depois será transmitido na Europa, Ásia, América Latina, Austrália, Oriente Médio e EUA.OxfordA Universidade de Oxford enviou ao governo britânico uma carta contra um eventual ataque ao Iraque. A carta foi assinada por 1.300 estudantes e 700 docentes. "O agressor é (o presidente dos EUA, George W.) Bush, e a Grã-Bretanha não deve seguir seu exemplo", diz a nota. "A primeira guerra no Golfo foi causada pela invasão do Kuwait. Desta vez não existe um ato de agressão específico".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.