Reuters
Reuters

Germanwings confirma nacionalidade de parte das vítimas de acidente

Empresa diz que das 150 vítimas, 72 eram alemãs, 35 espanholas e 2 americanas; governo espanhol, porém, fala que 49 de seus cidadãos estavam no voo acidentado

O Estado de S. Paulo

25 Março 2015 | 09h05

(Atualizada às 9h35) COLÔNIA, ALEMANHA - O diretor-executivo da Germanwings confirmou nesta quarta-feira, 25, a nacionalidade de parte dos passageiros que estavam a bordo do Airbus A320 que caiu nos Alpes da França na manhã de terça. De acordo com Thomas Winkelmann, havia pelo menos 72 alemães, 35 espanhóis e 2 americanos no voo 4U9525, que seguia de Barcelona para Dusseldorf. Pelas condições do acidente, as autoridades acreditam que todas as 150 pessoas a bordo morreram.

Mais cedo, o governo espanhol afirmou que havia 49 passageiros de sua nacionalidade no voo. O número, porém, seria provisório, disse o secretário de Estado de Segurança, Francisco Martínez. Ele explicou que o governo chegou a esse número após ser procurado por 47 famílias que disseram ter parentes no avião acidentado.

Ainda de acordo com Winkelmann, a lista final com a identificação e a nacionalidade de todos os passageiros ainda não foi divulgada porque a empresa não conseguiu entrar em contato com parentes de 27 vítimas. O executivo afirmou também que em alguns casos - como o de pessoas que tem dupla cidadania - a nacionalidade da vítima ainda não foi determinada.

O ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, confirmou nesta quarta a presença de pessoas de pelo menos 13 nacionalidades no voo da Germanwings. "Alemanha e Espanha são os países mais afetados, mas pelas informações que temos até o momento, havia pessoas dos seguintes países: Argentina, Austrália, Bélgica, Colômbia, Dinamarca, Grã-Bretanha, Israel, Japão, Marrocos, México e Holanda", disse Fabius à imprensa francesa.

A presença de cidadãos de Irã e Venezuelana ainda não foi confirmada pelas autoridades. Também não há informações sobre vítimas brasileiras.


Latinos. De acordo com o jornal La Nación, o número de vítimas argentinas pode ser maior do que o divulgado anteriormente. Além de Sebastián Gabriel Greco e Gabriela Luján Maumus, ambos de 28 anos, cuja presença no voo teria sido descoberta na terça-feira, na manhã desta quarta, 25, a paraguaia Companhia de Negócios Agroindustriais (Conagro) disse ao jornal que o empresário argentino Juan Armando Pomo, de 51 anos, estava no voo.

Além de Pomo, outro funcionário da Conagro, o venezuelano Nolberto Ariza também estaria no voo. Ambos viajariam para a Alemanha para compromissos profissionais. "Ficamos sabendo ontem (terça-feira), mas achei que pudesse ser um mal entendido", afirmou à Radio Latina Silvana Pomo, irmã da vítimas. / AP e EFE

Mais conteúdo sobre:
França Airbus A320 Germanwings Lufthansa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.