Gestão econômica depende de acordos

Série de aumento de impostos e corte de gastos, que ameaça recuperação da economia, tem de ser negociada por Obama no Congresso

GUSTAVO CHACRA , CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2012 | 02h04

Quando iniciar o seu segundo mandato, em 21 de janeiro, Barack Obama terá pela frente uma série de desafios de política externa. Antes mesmo do fim do ano, o principal problema a ser solucionado pelo presidente é a questão do abismo fiscal - série de aumentos de impostos e cortes de gastos aprovados pelo Congresso que poderia desacelerar a economia americana.

De acordo com levantamento dos principais órgãos de imprensa americanos no dia da eleição, outros desafios na agenda do democrata são o fraco crescimento econômico, a elevada taxa de desemprego e o déficit público.

Na economia, Obama, nos dois primeiros anos de seu mandato, quando possuía o Congressos nas mãos, levou adiante os programas de estímulo da economia. Seus defensores dizem que sua ação foi suficiente para evitar uma nova depressão. Os críticos, na esquerda, como o economista Paul Krugman, afirmam ter sido insuficiente. Na direita, o diretor da Escola de Administração da Columbia, Glenn Hubbard, o acusa "de ter ampliado o déficit com essas medidas sem conseguir recolocar a economia nos trilhos".

O desemprego, depois de ter atingido seu ápice, de 10%, em agosto de 2009, entrou em um processo de lenta redução até se estabilizar num patamar um pouco inferior aos 8% nos dois últimos meses. Em 2006 e 2007, quando a economia americana estava superaquecida antes da explosão da bolha imobiliária e da crise financeira, a média era de 4,5% e economistas avaliam que pode demorar anos até retornar a esse patamar.

Ao ser eleito, Obama prometera diminuir a taxa para 5,6%.

O governo argumenta que o país perdia 800 mil empregos por mês e agora há um crescimento de 32 meses consecutivos na criação de postos de trabalho, totalizando 5,4 milhões nesta administração. Entre as medidas sugeridas pela campanha do presidente, está a eliminação de corte nos impostos para empresas que transferem empregos para o exterior.

Para tentar balancear o déficit, um dos maiores problemas dos EUA, Obama propõe eliminar cortes nos impostos para a parcela mais rica da população e redução nos gastos com defesa depois do fim da Guerra do Iraque e a previsão de retirada das tropas do Afeganistão.

No Irã, Obama defende manter a pressão econômica por meio de sanções e, de acordo com reportagem do New York Times, abrir um canal de diálogo bilateral com o regime de Teerã. Uma ação militar coordenada com Israel não está descartada. Na Síria, Obama hesita em apoiar uma ação militar contra Bashar Assad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.