Gingrich deixa livre caminho de Romney

Ex-deputado anuncia desistência após vitória fácil do rival em prévias de 5 Estados

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2012 | 03h04

A desistência, ontem, do ex-presidente da Câmara Newt Gingrich e a ampla vitória em cinco primárias na noite de terça-feira consolidaram o nome de Mitt Romney como o candidato do Partido Republicano para enfrentar o presidente Barack Obama nas eleições de novembro - apesar de a nomeação formal ocorrer apenas na convenção do partido em agosto.

O Comitê Nacional Republicano (RNC, na sigla em inglês) o descrevia ontem como o "provável nomeado". Rick Santorum, que era a segunda força do partido nas primárias até desistir duas semanas atrás, disse ontem à CNN que Romney será o candidato e ele o apoiará.

O objetivo do Partido Republicano e de Romney é começar a trabalhar imediatamente em conjunto para a disputa contra Obama. "Nós queremos garantir que as nossas equipes financeira, política e de comunicação trabalhem em sincronia. Estou empolgado, pois nossas operações vão se integrar para derrotar Obama", disse Reince Priebus, presidente do RNC, que até ontem evitava declarar apoio formal a Romney.

Gingrich, depois do fiasco nas primárias da terça-feira, avisou que deixará formalmente a disputa na semana que vem em evento para declarar seu apoio a Romney. Ao longo da campanha, os dois trocaram duros ataques e acusações em debates na TV.

"Está claro que Romney será o candidato e precisamos que o foco seja derrotar Obama", afirmou Gingrich a simpatizantes na Carolina do Norte. Ao longo das primárias, o ex-presidente da Câmara chegou a cogitar de não apoiar o ex-governador caso ele fosse o indicado do partido.

Figura folclórica nos EUA, Gingrich enfrentou graves crises e muitos o deram como carta fora do baralho por três vezes. No entanto, ele sempre conseguiu se recuperar e chegou a ser visto como favorito depois de vencer as primárias da Carolina do Sul e de liderar as pesquisas na Flórida.

Nos últimos dois meses, sua candidatura se enfraqueceu e Santorum passou a ser visto como o nome mais forte entre os conservadores do partido. No fim, era descrito como "ególatra" por alguns analistas por não admitir a derrota.

Sem Gingrich, o único remanescente na disputa além de Romney é o deputado Ron Paul, que não deve desistir até a convenção. Seu objetivo é disseminar sua política externa isolacionista e defender o fim do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

No lado democrata, Obama aproveitou para ir ao programa de Jimmy Fallons, na NBC, onde fez algumas piadas. Segundo pesquisas publicadas na semana passada, Romney empata ou até mesmo supera o presidente. Obama, porém, lidera em 19 Estados, que representam 227 votos no colégio eleitoral. Romney está na frente em 21 Estados e teria 170 votos no colégio eleitoral. Os outros 141 votos estão em Estados em que a disputa está acirrada e serão os principais palcos da batalha eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.