Cj. Gunther/Efe
Cj. Gunther/Efe

Gingrich sobrevive a caucus de Iowa e planeja 'vingança'

Quatro colocado na primeira prévia, pré-candidato se prepara para angariar apoio

Reuters

04 de janeiro de 2012 | 15h58

DES MOINES - Newt Gingrich deixou Iowa esgotado, abatido e desconfiado depois de terminar em quarto lugar na disputa do Estado à indicação republicana para a presidência dos EUA. Mas ele sobreviveu.

 

Veja também:

lista Eleições nos EUA: as principais datas

linkMichelle Bachmann desiste da candidatura

linkRomney avança, mas tem longo caminho até assegurar candidatura

Com seus números despencando nas pesquisas nos últimos dias, Gingrich agora deve persistir até a primária da Carolina do Sul, em 21 de janeiro, e esperar pelo apoio dos conservadores naquele Estado.

Seu principal rival, Mitt Romney, deve ganhar a próxima votação em New Hampshire, na terça-feira, deixando a Carolina do Sul como o principal campo de batalha na votação antecipada para a escolha do republicano que irá desafiar o presidente democrata Barack Obama na eleição de novembro.

Gingrich, conhecido por sua natureza irascível durante a época em que passou na Câmara dos Deputados, prometeu não dirigir uma campanha negativa em Iowa. Mas ele criticou Romney, ex-governador de Massachusetts, culpando grupos que angariam fundos ligados a Romney e o libertário Ron Paul pela publicidade negativa na televisão que o derrubou em Iowa no caucus (eleição prévia) de terça-feira.

"Acredito que sobrevivemos juntos ao maior massacre na história da primária de Iowa", disse Gingrich. "Não vamos sair e expor anúncios indecentes", disse ele a partidários depois que ficou claro que ele havia obtido apenas 13 por cento dos votos em Iowa. "Mas eu tenho o direito de dizer a verdade. E se a verdade parecer negativa, isso pode ser mais um comentário sobre o histórico (de Romney) do que sobre política", disse, prometendo revidar levantando dúvidas sobre as credenciais conservadoras de Romney nas próximas semanas.

Gingrich se descreveu como "um Ronald Reagan conservador, que ajudou a mudar Washington nos anos 1980". E descreveu Romney como um "moderado tímido de Massachusetts... que seria muito bom em administrar a decadência, mas que não deu provas em seus anos em Massachusetts de qualquer capacidade de mudar a cultura, ou de mudar a estrutura política, ou o governo".

Romney e o conservador Rick Santorum terminaram praticamente empatados na primária, cada um com 25 por cento dos votos. Romney recebeu apenas oito votos a mais - 30.015 a 30.007, segundo resultados oficiais anunciados pelo Partido Republicano.

Romney tem uma liderança importante em New Hampshire com cerca de 40 por cento de apoio, comparados com 12,5 por cento de Gingrich, segundo pesquisas.

Andy Smith, diretor do Centro de Pesquisa da Universidade de New Hampshire, disse duvidar que Gingrich possa sobreviver além da votação na Carolina do Sul. "Ele pode continuar mais um pouco, talvez até a Carolina do Sul, mas ele não tem o ânimo", disse Smith.

A equipe de Gingrich diz que está bem financiada, e que levantou cerca de 10 milhões de dólares no último trimestre de 2011. O candidato poderia voltar ao jogo já neste final de semana com dois debates.

Mas Gingrich, de 68 anos, parece estar sob pressão após a votação de Iowa, emocionando-se em um evento ao falar de sua falecida mãe. E ele começou a voltar atrás de sua promessa de não lançar ataques negativos contra Romney.

Na quarta-feira, Gingrich publicou um anúncio de página inteira em um jornal em New Hampshire comparando um Gingrich ao estilo "conservador audacioso de Reagan" com um Romney "moderado e tímido de Massachusetts". O anúncio mostra o argumento de Gingrich de que ele é um conservador mais confiável em várias questões, de empregos a tributos a abortos e armas.

Estrategistas republicanos disseram que Gingrich já deveria ter respondido a ataques negativos e imaginam se isso aconteceu tarde demais. "Ele não fez uma campanha muito boa", disse Todd Harris, que aconselhou várias campanhas políticas republicanas. "Não há uma estratégia aparente. Não há uma mensagem aparente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.