Giuliani deixa a prefeitura de Nova York

O prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, que se transformou em uma figura emblemática por sua firme atuação no cenário dos atentados de 11 de setembro encerra amanhã seu mandato com o simbólico título de "prefeito dos EUA" e como o "homem do ano". Giuliani, de 57 anos, deixa o cargo após oito anos de êxitos, apesar das controvérsias provocadas por sua atitutde emrelação às minorias étnicas e aos pormenores de seu escandaloso divórcio. O encerramento de seu mandato e a entrega do cargo a seu sucessor Michael Bloomberg, o 108º prefeito da cidade, ocorrerão numa cerimônia pública de características inéditas: diante demilhares de pessoas que estarão na Times Square à meia-noite para se despedirem do ano. A cerimônia propriamente dita será celebrada em 1º de janeiro na Gracie Manson, a sede oficial da Prefeitura. Segundo os analistas, a figura de Giuliani ficará na memória de todos os nova-iorquinos como a do homem que encarna oespírito e a vontade de viver dos habitantes da Big Apple e do resto do país por ter-se comportado eficientemente e de modo muito humano diante dos atentados de 11 de setembro. Por essa mesma razão, a revista Time o escolheu para a capa de seu número sobre 2001, proclamando-o o "homem do ano" - denominação que aceitou de bom grado e preferiu compartilhar comseus colaboradores. A última aparição pública de Giuliani frente aoscidadãos também esteve ligada à tragédia dos atentados terroristas: ele inaugurou no sábado a rua denominada "Ground Zero", como testemunha do horror vivido por esta zona da cidade. Giuliani asegurou ter perdido "diversos amigos" nocolapsos da Torres Gêmeas do World Trade Center e manifestou seu desejo de continuar trabalhando para a cidade, embora de maneira privada. Embora o futuro político de Giuliani ainda seja incerto,alguns setores da imprensa local asseguram que que já lhe foram oferecidos altos cargos em importantes empresas, uma candidatura como próximo diretor da CIA e como parceiro de chapa de Bush na lista de candidatos a presidente em 2008. O que é certo é o que Giuliani já deixou para trás: sua política de "tolerância zero" na cidade de Nova York, a diminuição em dois terços nos homicídios e crimes violentos e a redução da desocupação de 10% para 7%. Após um discurso que pronunciará na quinta-feira na Capela de Saint Paul, Giuliani partirá de férias para a Flórida em companhia de Judi Nathan - a mulher cuja casa freqüenta hádois anos e que foi a causa de seu divórcio da atriz Donna Hannover -, para em seguida regressar a Nova York e escolher livremente o lugar mais de acordo para conviver com sua companheira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.