Shannon Stapleton/Reuters
Shannon Stapleton/Reuters

Giuliani pediu a promotor de Michigan que entregasse máquinas de votação à equipe de Trump

Um erro com contas imprecisas dando vitória a Joe Biden em um reduto republicano colocou o Condado de Antrim no centro das falsas alegações do republicano de que a eleição havia sido roubada

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 18h27

WASHINGTON - Nas semanas após a eleição de 2020, Rudolph W. Giuliani e outros assessores jurídicos de Donald Trump pediram a um promotor republicano no Estado de Michigan que confiscasse as urnas de seu condado e as passasse para a equipe do então presidente americano. A informação foi revelada pelo promotor do Condado de Antrim, James Rossiter, ao jornal The Washington Post.

O promotor disse, em entrevista, que Giuliani e vários colegas fizeram o pedido durante um telefonema depois que o condado inicialmente informou incorretamente seus resultados eleitorais. As contas imprecisas significavam que Joe Biden parecia ter derrotado Trump por 3 mil votos em um reduto republicano, um erro que logo colocou Antrim no centro das falsas alegações de Trump de que a eleição havia sido roubada.

Rossiter disse que recusou. “Eu disse: ‘Não posso simplesmente dizer: me deem aqui (a urna)’. Não temos esse poder mágico de exigir coisas apenas como promotores. Você precisa de uma causa provável.” Mesmo que tivesse motivos suficientes para tomar as máquinas como prova, disse Rossiter, ele não poderia tê-las liberado para pessoas de fora ou uma parte interessada no assunto.

Acadêmicos jurídicos disseram que era incomum e inapropriado que os representantes de um presidente fizessem tal pedido a um promotor local. “Nunca esperei na minha vida receber uma ligação como essa”, disse Rossiter. Giuliani se recusou a comentar o caso.

A equipe de Giuliani ligou para Rossiter por volta de 20 de novembro de 2020, disse Rossiter, enquanto trabalhava para reverter a derrota de Trump para Biden. O apelo direto a um oficial da lei local foi parte de um esforço mais amplo dos aliados de Trump para acessar as urnas eletrônicas na tentativa de provar que a eleição havia sido roubada. Esse esforço se estendeu a um projeto de ordem executiva -- recentemente divulgado -- para a assinatura de Trump para que as tropas da Guarda Nacional apreendessem máquinas em todo o país.

Uma investigação do Post descobriu que a ligação para Rossiter também fazia parte de uma intervenção nos bastidores da equipe jurídica de Trump em Antrim, que aproveitou o erro da noite eleitoral do condado e ajudou a transformar o caso em suposta prova de uma vasta conspiração para fraudar a eleição.

Antrim é dominado por republicanos eleitos, e a última vez que o pequeno condado rural apoiou um democrata para presidente foi em 1964. Uma revisão encomendada por funcionários do Estado descobriu mais tarde que o erro da noite da eleição foi em grande parte resultado da falha dos funcionários em atualizar adequadamente as máquinas que escaneiam e contam cédulas de papel após uma mudança de última hora para cédulas em vários distritos. Isso levou a contagens de votos imprecisas nos resultados iniciais do condado.

Depois de abordar os erros nos dias que se seguiram, as autoridades anunciaram que Trump havia de fato vencido Biden por mais de 3 mil votos, resultado que foi confirmado por uma recontagem manual das cédulas de papel marcadas pelos eleitores. A funcionária do condado, Sheryl Guy, disse mais tarde em um relatório que o erro foi um erro honesto.

Mas enquanto os conselheiros de Trump procuravam evidências para apoiar suas falsas alegações de que a eleição havia sido roubada, eles se concentraram em Antrim. Tendo pressionado Rossiter e outro funcionário do condado sem sucesso pelo acesso às máquinas de votação, eles apoiaram um processo eleitoral movido pelo corretor de imóveis local William Bailey, que ganhou uma ordem judicial que lhe concedeu acesso às máquinas de um juiz que havia doado recentemente para a campanha de Trump.

Um suposto “relatório forense” produzido para o processo de Bailey, criado por uma equipe que seu advogado mais tarde descreveu como “cientistas forenses e cientistas de coleta de dados”, afirmou que os dados coletados das máquinas de Antrim forneceram evidências de fraude abrangente. 

As máquinas – feitas pela Dominion Voting Systems, que se tornaram foco das teorias da conspiração eleitoral – foram “propositadamente projetadas” para manipular votos, segundo o relatório. Especialistas chamaram essa conclusão de falsa e o relatório criticamente falho.

O relatório de 23 páginas foi produzido por uma equipe que incluiu Phil Waldron, o coronel aposentado pró-Trump agora mais conhecido por divulgar uma apresentação em PowerPoint antes de 6 de janeiro que dizia que as tropas poderiam tomar cédulas. O relatório foi assinado por Russell J. Ramsland Jr., um ativista conservador que afirma desde 2018 que as eleições foram comprometidas e lidera a empresa Allied Security Operations Group (ASOG), com sede no Texas.

Nem Ramsland nem Waldron responderam aos pedidos de comentários.

Os analistas que examinaram as máquinas de Antrim para a ASOG foram acompanhados por Katherine Friess, ex-advogada republicana do Senado que estava trabalhando com Giuliani no esforço legal de Trump, informou pela primeira vez o Traverse City Record-Eagle. 

Eles fizeram duas visitas a escritórios municipais em Antrim para inspecionar os dados das urnas, chegando em aviões particulares fornecidos por Patrick Byrne, ex-presidente-executivo da Overstock, disse Byrne ao The Post. Byrne, que estava profundamente envolvido nos esforços para provar que a eleição foi roubada, descreveu-se como parte de uma equipe independente que prestou assistência a Giuliani e outros.

Justificativa fundamental

O relatório da ASOG foi divulgado ao público por meio de uma ordem judicial em 14 de dezembro, quando os membros do colégio eleitoral se reuniram para votar nas capitais estaduais. Juntamente com o relatório, o advogado de Bailey apresentou uma declaração ao tribunal de um ex-professor de engenharia que levantou preocupações adicionais sobre as urnas.

Quando o relatório da ASOG foi tornado público, Giuliani divulgou um comunicado de imprensa chamando-o de “nada menos do que alucinante”. A evidência de fraude apresentada, afirmou ele, era “indiscutível” e motivo para os legisladores estaduais “interromperem qualquer aprovação de votos presidenciais até que todas essas máquinas tenham sido apreendidas para auditoria e análise”. 

A equipe jurídica do presidente citou supostas descobertas de Antrim para pressionar os legisladores estaduais a rejeitar a vitória de Biden. As alegações sobre Antrim acabaram sendo apresentadas como uma justificativa fundamental para o projeto de ordem executiva para que as tropas apreendessem máquinas. Trump citou o caso de Antrim em seu discurso em 6 de janeiro, pouco antes de seus apoiadores invadirem o Capitólio.

Bruce Green, professor da Fordham University Law School, disse que Giuliani e sua equipe estavam errados ao pedir a Rossiter que confiscasse as urnas eletrônicas do condado. “Se alguém sabia que o promotor não poderia obedecer, deveria ser Rudy Giuliani”, disse. 

A secretária de Estado de Michigan, Jocelyn Benson, no mês passado pediu à comissão da Câmara que investiga o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro para examinar se Trump ou sua campanha direcionou a criação do relatório de Antrim para justificar a apreensão de máquinas de votação.

As falsas alegações sobre Antrim perduram desde o motim do Capitólio, ajudando a impulsionar um movimento em andamento para refazer a eleição de 2020 com revisões de cédulas partidárias, principalmente no Condado de Maricopa, Arizona. As alegações também infectaram debates sobre integridade eleitoral em comunidades distantes de Michigan, mostram registros de outros Estados, tornando “Antrim” sinônimo de fraude eleitoral entre muitos republicanos.

O advogado de Bailey, Matthew DePerno, é agora um candidato republicano a procurador-geral de Michigan. Trump endossou DePerno e está programado para realizar um evento de arrecadação de fundos para ele no próximo mês em Mar-a-Lago, o clube de Trump em Palm Beach, Flórida. DePerno não respondeu ao pedido de entrevista do Post, mas enviou o pedido aos apoiadores em um apelo de arrecadação de fundos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.