GM deve pedir concordata nesta segunda-feira

Empresa teria chegado a acordo com acionistas que deve facilitar reestruturação.

BBC Brasil, BBC

31 de maio de 2009 | 22h00

A montadora americana General Motors teria chegado a um acordo com a maior parte de seus credores que deve tornar mais fácil o processo de reestruturação da empresa.

Executivos da GM se reuniram, neste domingo, para discutir os detalhes de um provável pedido de concordata, que deve ser apresentado nesta segunda-feira, como parte de um plano apoiado pelo governo dos Estados Unidos para evitar a falência.

Relatos vindos de Washington indicam que 54% dos credores teriam aceitado assinar um acordo que prevê que eles terão pelo menos 10% de uma versão provavelmente mais enxuta da montadora. Espera-se que o governo fique com uma parcela da empresa próxima dos 70%.

Os detalhes da reestruturação devem ser anunciados pelo presidente Barack Obama nesta segunda-feira e o processo deve ocorrer sob a supervisão da Justiça.

As vendas da montadora caíram dramaticamente com a crise financeira mundial e a empresa já recebeu US$ 20 bilhões (o equivalente a quase R$ 40 bilhões) em ajuda do governo americano.

O pedido de concordata da GM seria o terceiro maior do tipo na história dos Estados Unidos, depois do colapso do banco Lehman Brothers e da gigante de telecomunicações WorldCom.

O braço europeu da montadora provavelmente ficará de fora do pedido de concordata, depois de uma oferta feita pela fabricante de autopeças canadense Magna International pelas marcas europeias da GM, Opel e Vauxhall. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
gmgeneralmotorsconcordata

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.