AFP
AFP

Golpe de Estado no Sudão compromete apoio internacional duramente conquistado

Em meio ao terceiro dia de protestos contra militares, aeroporto de Cartum será reaberto nesta quarta, quando novas categorias passam a aderir às manifestações

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2021 | 08h22

Só este ano o empobrecido Sudão começou a reverter décadas de isolamento internacional para obter investimentos e ajuda urgentemente necessários. Mas o recente golpe militar ameaça este progresso, dizem analistas.

Nesta quarta-feira, 27, pelo terceiro dia consecutivo, os manifestantes permanecem nas ruas da capital do país, Cartum, para protestar contra o golpe de Estado liderado pelo comandante do exército, general Abdel Fattah al-Burhane.

Também hoje, o aeroporto de Cartum vai retomar as operações a partir das 16h locais (11h de Brasília), anunciou o diretor da Aviação Civil, Ibrahim Adlane, dois dias após o golpe de Estado que derrubou o governo de transição do Sudão.

Na terça-feira, Adlane afirmou que os voos procedentes e com destino a Cartum estavam suspensos "até 30 de outubro". Não houve explicação para o motivo da antecipação da data de reabertura.

O aeroporto, no centro de Cartum, onde os manifestantes bloquearam avenidas com pedras e pneus queimados, é separado apenas por uma cerca das principais avenidas da capital sudanesa.

Sob a ditadura de Omar al-Bashir, o Sudão era um pária para os países ocidentais. Os Estados Unidos impuseram severas sanções contra o regime por abrigar extremistas islâmicos, incluindo o chefe da Al-Qaeda, Osama bin Laden, nos anos 90.

O líder autoritário foi derrubado por seu próprio exército em abril de 2019, após grandes protestos de rua. Um governo de transição civil-militar foi então instalado e derrubado no golpe de Estado da última segunda-feira, 25.

Estes dois anos colocam o Sudão no caminho certo, diz Alex de Waal, um experiente especialista no país e diretor-executivo da Fundação para a Paz Mundial, sediada nos EUA.

Em dezembro, Washington retirou o Sudão de sua lista de países que patrocinam o terrorismo. E, este ano, abriu as portas para uma anulação de dívida de US$ 50 bilhões e novos financiamentos do FMI e do Banco Mundial.

Suspensão da ajuda

"Os interesses nacionais do Sudão estavam sendo atendidos, dando continuidade a este lento caminho de reforma com assistência internacional que finalmente estava começando a chegar na quantidade necessária", diz De Waal.

Mas com a prisão do primeiro-ministro, Abdallah Hamdok, um economista internacional, e de outros membros civis do governo, os militares criaram "sérios riscos para o Sudão", diz um relatório do Grupo Internacional de Crise.

Os Estados Unidos não hesitaram em reagir. Horas após o golpe, anunciou que suspendia um pacote de ajuda econômica de 700 milhões de dólares para apoiar a transição democrática do país.

Na terça-feira, a União Europeia também advertiu sobre a suspensão do apoio financeiro se os militares não restaurarem os líderes civis ao cargo.

Se as ameaças, especialmente de doadores ocidentais e do Banco Mundial, forem levadas a cabo, o "progresso esperado, mas substancial, que foi feito para estabilizar o país, desmoronará", adverte De Waal.

O Sudão é um dos países menos desenvolvidos do mundo. No final de 2018, o preço do pão triplicou, levando a protestos que acabaram por expulsar o então ditador.

Em tempos recentes, o país sofreu escassez de medicamentos e outros bens essenciais enquanto a inflação estava acima de 300%.

Após a derrubada de Bashir, as monarquias do Golfo depositaram inicialmente US$  500 milhões em seu banco central como parte de uma assistência prometida de US$ 3 bilhões para manter sua influência no país.

Uma região conturbada

Mesmo que o general golpista Abdel Fattah al Burhan receba mais apoio financeiro dos países árabes, ele não compensará o oferecido por instituições internacionais e doadores ocidentais, diz De Waal.

O golpe "potencialmente deixa o Sudão extremamente isolado, retornando a um período em que foi evitado pelo resto do mundo", explica ele.

O isolamento, no entanto, é compartilhado por outros países em dificuldade na região.

Seu vizinho a sudeste, a Etiópia, vem lutando há um ano com as autoridades rebeldes em sua região norte de Tigray, um conflito que manchou a reputação internacional de seu governo.

No oeste, o Chade permanece sob controle militar, e mais a oeste está o tumultuado Sahel, cenário de múltiplas violências e um foco de grupos criminosos e jihadistas.

"Lutas generalizadas no Sudão seriam um grande desastre para a região", disse o relatório da ICG.

Na segunda-feira, o ministério da informação, fiel ao Hamdok, disse que os soldados "dispararam balas contra os manifestantes (...) em frente ao quartel general do exército".

Pelo menos quatro pessoas foram mortas e cerca de 80 feridas, de acordo com um sindicato de médicos independentes.

Os analistas expressaram a preocupação de que os protestos continuem sendo brutalmente reprimidos.

De Waal diz que isso significaria não apenas derramamento de sangue na capital Cartum, mas também um renascimento das guerras civis nas províncias de Darfur e do sul de Cordofã.

O ICG diz que os líderes sudaneses que autorizam o assassinato de manifestantes ou resistem a um retorno aos acordos transitórios devem enfrentar sanções da União Africana.

As monarquias do Golfo e do Egito, que têm laços mais estreitos com Burhan e o exército sudanês, devem exigir contenção, acrescentou o grupo.

"Eles não ganharão nada com a instabilidade no Sudão que provavelmente se seguirá ao golpe militar", conclui.

Trabalhadores do petróleo se juntam a manifestantes

Trabalhadores da empresa petrolífera estatal sudanesa Sudapet disseram nesta quarta-feira que se juntariam ao movimento de desobediência civil a nível nacional chamado pelos sindicatos em resposta ao golpe militar no país. Médicos também anunciaram uma greve.

Grupos locais anunciaram um calendário de novas barricadas e protestos de rua que conduziriam ao que disseram ser uma "marcha de milhões”, prevista para o próximo sábado.

"Anunciamos a adesão à desobediência civil em apoio à decisão do povo de apoiar a transformação democrática civil e até que esta exigência seja alcançada", disse Sudapet numa declaração levada a cabo pela Associação de Profissionais Sudaneses.

O Escritório de Médicos Associados, que é composto por diferentes sindicatos, afirmou: "Como prometemos e anunciamos anteriormente que entraríamos numa greve geral em todo o Sudão no caso de um golpe, estamos cumprindo completamente a nossa palavra e o nosso calendário".

O chefe das forças armadas do Sudão defendeu na terça-feira a tomada do poder pelos militares, dizendo que tinha destituído o governo para evitar a guerra civil, enquanto os manifestantes saíam à rua para se manifestarem contra a tomada do poder. / AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.