Issouf Sanogo/AFP
Issouf Sanogo/AFP

Golpe na Guiné-Bissau é atribuído a acordo com Angola

Este foi o primeiro comentário dos militares do país desde que soldados atacaram a residência do primeiro-ministro, Carlos Gomes

AE, Agência Estado

13 Abril 2012 | 09h50

BISSAU - O exército da Guiné-Bissau atribuiu a tentativa de golpe lançada nesta quinta-feira, 12, no país do oeste africano, a um suposto acordo militar secreto entre o governo e Angola, segundo comunicado divulgado nesta sexta-feira, 13, pela rádio nacional. Este foi o primeiro comentário feito pelos militares do país desde que seus soldados atacaram a residência do primeiro-ministro, Carlos Gomes, e ocuparam a sede do partido governista e as dependências da rádio.

Veja também:

linkMilitares de Guiné-Bissau cercam casa de premiê

linkMilitares tomam ruas da capital de Guiné-Bissau

O paradeiro de Gomes, que foi preso pelos soldados, é desconhecido, e os golpistas não disseram quem está no comando do país.

"Os eventos de ontem ocorreram porque descobrimos a existência de um acordo militar secreto assinado pelo primeiro-ministro Carlos Gomes, o presidente interino Raimundo Pereira, o governo da Guiné-Bissau e Angola", os militares disseram no comunicado. "Este acordo tem como objetivo legalizar a presença de tropas estrangeiras, a missão militar angolana, com o intuito de proteger o governo em tempos de crise", concluíram.

A presença de soldados angolanos é um fator de discórdia entre o governo e o exército da Guiné-Bissau, que, assim como Angola, é uma ex-colônia portuguesa.

Os cerca de 200 soldados foram enviados à Guiné-Bissau no ano passado, mas o governo angolano afirmou recentemente que eles logo serão retirados do país.

A tentativa de golpe foi condenada pela União Africana, que a descreveu como "ultrajante".

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Guiné-Bissaugolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.