Golpe palestino na frágil trégua

Homens armados palestinos mataram uma mulher israelense nesta quinta-feira em uma emboscada numa rodovia da Cisjordânia, informou o Exército de Israel, no mais recente golpe aos esforços para a solidificação de uma trégua no Oriente Médio.O ataque ocorreu no mesmo dia em que o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, reuniu-se com líderes israelenses e palestinos para conversar sobre o cessar-fogo.Além da mulher assassinada, outra mulher que viajava em outro carro ficou levemente ferida no ataque ocorrido nas proximidades do assentamento judaico de Ganim, no norte da Cisjordânia, informou o Exército israelense.Colonos judeus da Cisjordânia e da Faixa de Gaza às vezes foram alvos de ataques durante os nove meses do atual conflito palestino-israelense.Ainda nesta quinta-feira, centenas de partidários do grupo militante islâmico Hamas queimaram bandeiras dos Estados Unidos e de Israel na Cidade de Gaza para protestar contra a viagem de Powell à região.O Hamas, que perpetrou uma série de atentados suicidas em Israel, avisou que a violência não será interrompida. "O levante prosseguirá em todas as suas formas", disse Ismail Hanieh, um dos líderes do Hamas, a uma multidão de cerca de 1.500 pessoas, entre as quais estavam militantes de outros grupos radicais palestinos.A marcha foi liderada por um grupo de crianças vestidas de fardas militares e carregando submetralhadoras de brinquedo.No sul da Faixa de Gaza, 15 granadas foram lançadas contra um posto do Exército israelense, mas ninguém ficou ferido, informaram oficiais militares.Na cidade cisjordaniana de Nablus, centenas de palestinos queimaram bonecos retratando o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, num protesto organizado pelo movimento político Fatah, do líder palestino Yasser Arafat.Alguns manifestantes levavam fotos de Powell com a seguinte frase: "Vá embora! Não precisamos de seus esforços."Ali Faraj, líder da Fatah em Nablus, informou que seu grupo é favorável à mediação de Powell, mas avisou que o norte-americano terá de demonstrar sua credibilidade aos palestinos, convencendo Israel a cumprir sua promessa de congelar a construção de assentamos judaicos nos territórios palestinos.Ainda nesta quinta-feira, um suspeito de ser informante de Israel, Mohammed Fares, de 43 anos, foi assassinado a tiros quando caminhava em direção à sua casa na cidade cisjordaniana de Qalqiliya, informaram oficiais dos serviços de segurança palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.