Reprodução
Reprodução

Google Earth mostra avanço do capitalismo na Coreia do Norte

Fotografias tiradas por satélite registram crescimento de pequenos mercados em vilas por todo o país

15 de julho de 2009 | 10h11

 Um grupo de observadores amadores notaram por meio das imagens divulgadas pelo Google Earth como o capitalismo avança dentro da Coreia do Norte. As fotografias tiradas via satélite mostram o crescimento dos pequenos mercados em vilas. As análises e imagens estão no blog North Korean Economy Watch, do economista da George Mason University, Curtis Melvin.

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

"Existe um grupo inteiro de pequenas empresas privadas que cresceram", afirmou Melvin em entrevista à CNN. "Com o Google Earth, é possível retroceder no tempo, para observar as fotografias mais recentes, e ver como estes mercados estão crescendo", disse o doutorando. "Em grandes cidades, você pode ver múltiplos mercados, mas é possível encontrá-los em cada cidade" do país, afirmou.

 

O crescimento dos pequenos comércios fez com que os líderes de Pyongyang adotassem duras posturas, como se representasse uma ameaça ao regime. Segundo observadores, a polícia começou a reprimir a expansão do contrabando no ano passado. Em dezembro, o governo norte-coreano interrompeu as viagens de turistas que entram pela Coreia do Sul na cidade de Kaesong, na fronteira dos dois países, e reduziu o número de trabalhadores sul-coreanos no parque industrial instalado na cidade.

 

Porém, o regime parece confuso sobre o modo como lidar com o capitalismo dentro de suas fronteiras. O governo legalizou os mercados em 2002, mas nos últimos anos aumentou a repressão ao comércio. No ano passado, o governo central notificou oficiais locais de que todos os comércios privados deveriam abrir as portas apenas três dias por mês em 2009, mas a nova restrição nunca foi adotada. Economistas estimam que os norte-coreanos têm mais de 50% de sua renda por meio do comércio ilegal.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.