Jason Lee/Reuters
Jason Lee/Reuters

Google fecha servidores na China

Empresa comunicou que direcionará acessos para servidor em Hong Kong, onde não há censura

estadão.com.br

22 de março de 2010 | 16h49

PEQUIM - O Google deixou de filtrar os resultados de seu site de busca na China ao redirecionar o tráfego de sua página para o servidor de Hong Kong, onde não há censura. Os visitantes do google.cn foram automaticamente direcionados para o endereço google.com.hk, informou a empresa nesta segunda-feira, 22, por meio de comunicado.

 

Em um texto publicado no blog oficial da empresa, foi anunciado que as atividades de pesquisa e desenvolvimento devem continuar na China, bem como as vendas de espaço publicitário. Essas atividades, porém, dependerão do fluxo de acessos dos usuários chineses ao servidor de Hong Kong.

 

Em janeiro, a empresa constatou que os ataques a contas de email em seu servidor partiram de hackers da China. Como resposta, ameaçou retirar os filtros das buscas a partir de seu site para os usuários que acessassem a página em território chinês. A decisão poderia acarretar na retirada das atividades do Google no país, onde a censura é exigida para que uma página na rede seja estabelecida.

 

Desde então, a empresa tem tentado negociar com as autoridades chinesas uma maneira de manter seu site na rede sem filtrar os resultados das buscas. O Google conseguiu um bom fluxo de acessos na China, embora ainda esteja bastante atrás do buscador líder no país, o Baidu.

 

O Google chegou a ameaçar com o fechamento de suas operações na China, e as autoridades disseram que caso isso acontecesse, a empresa "sofreria consequências". Os atritos entre as partes se somaram à tensão dos EUA com os chineses sobre a venda de armas dos americanos para Taiwan, a visita do dalai-lama ao presidente Barack Obama e a falta do apoio às sanções do Conselho de Segurança contra o Irã.

 

Resposta

 

Pequim classificou a decisão do Google como "completamente equivocada" e afirmou que o portal de buscas violou "uma promessa" ao redirecionar os internautas chineses automaticamente para o servidor de Hong Kong, segundo informações da agência estatal de notícias Xinhua.

 

Citando um funcionário da Divisão de Informação do Conselho do Estado Chinês, órgão que ajuda na fiscalização das leis de internet, a agência disse que o governo estava "insatisfeito e irritado" com as "acusações irracionais" do Google.

 

Casa Branca

 

A Casa Branca se disse desapontada com a falta de acordo entre o Google e a China de estabelecer um sistema que permitisse à empresa operar no país sem ferir as exigências do governo. "Estamos desapontados que o governo chinês e o Google não conseguiram chegar a um acordo que permitiria ao portal de buscas continuar operando seus serviços na China por meio do domínio google.cn", disse Mike Hammer, porta-voz do Conselho de Segurança da presidência dos EUA.

 

"Os funcionários da Segurança Nacional foram informados pelo Google pouco antes do anúncio oficial. O site tomou a decisão com base no acredita serem seus interesses", disse Hammer.

 

O porta-voz, porém, disse que o episódio não deverá estremecer as relações entra os governos americano e chinês. "As relações entre as duas nações é madura o bastante para superar as diferenças. Enquanto procuramos expandir a cooperação em assuntos de interesse mútuo com a China, nós vamos tentar resolver candidamente os pontos de desacordo", completou.

 

(Com informações das agências Associated Press e Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
GoogleChinacensurainternet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.