Bloomberg/Carlos Becerra
Bloomberg/Carlos Becerra

Google lança Intra, app contra censura à imprensa, e faz testes na Venezuela

Aplicativo disponível somente para Android passou por testes de especialistas na Venezuela, onde ataques a jornais e repórteres se intensificaram durante os últimos anos sob o governo de Nicolás Maduro

O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2018 | 12h29

CARACAS - O Google lançou uma ferramenta destinada a combater a censura à imprensa em todo o mundo: o aplicativo Intra, que foi testado primeiro na Venezuela, onde jornalistas dizem lutar contra um governo empenhado em enterrar repórteres que expõem corrupção e abusos de direitos humanos na internet.

Nos últimos anos, aqueles que querem acessar sites independentes do país têm se deparado com uma mensagem em seus monitores dizendo que o endereço não existe, um problema que a maioria atribui às medidas do governo para bloquear o acesso à informação crítica.

“É muito difícil fazer chegar as notícias às pessoas”, disse o senador Melanio Escobar, um jornalista e ativista venezuelano que testou o app Intra antes do lançamento este mês. “Promovemos esta e outras ferramentas, mas não é fácil.”

O governo controla a internet como proprietário de CANTV, o maior provedor de serviço online do país, com mais de 2,5 milhões de clientes. Segundo Escobar, empresas privadas menores seguem as suas diretrizes para se manter no negócio.

O Insituto de Imprensa e Sociedade da Venezuela, um grupo que advoga pela liberdade de imprensa, apontou que desde 2014 sites informativos críticos ao governo recebem cada vez mais ataques. Em agosto, um teste de quatro dias tentou centenas de vezes ao dia acessar 53 sites e, segundo os investigadores, foi detectado que quase metade deles estava bloqueada. O Ministério da Comunicação da Venezuela não respondeu aos pedidos de comentário desta reportagem.

Intra, o aplicativo disponível somente para Android, foi desenhado para superar esse bloqueio conectando os usuários diretamente aos servidores do Google, que acessam o sistema de nomes do domínio, uma espécie de lista telefônica da internet. Isso evita qualquer bloqueio imposto pelas empresas de internet locais e dificulta que governos e outros interlocutores bloqueiem o acesso a determinadas páginas.

Crise.

A Venezuela está imersa em uma profunda crise política e econômica e o presidente Nicolás Maduro afirma que Estados Unidos e outros agentes estrangeiros conspiram para derrotá-lo. Os jornalistas venezuelanos trabalham sob a ameaça de prisão ou processo, o que levou a muitos saírem do país.

Uma Assembleia Constituinte pró-governamental, criada no ano passado para contornar o Parlamento - de maioria opositora desde as últimas eleições -, aprovou uma lei que decreta penas de até 20 anos de prisão por publicar material nocivo.

Jared Cohen, fundador e diretor geral de Jigsaw, uma unidade da empresa-matriz do Google, disse que sua equipe criou o app a partir do diálogo aberto com jornalistas e especialistas em tecnologia venezuelanos sobre os obstáculos que enfrentam para publicar seu trabalho. Intra foi lançado para todo o mundo no dia 3 depois de vários meses de testes na Venezuela.

Cohen, um ex-diplomata americano que assessorou Condoleezza Rice e Hillary Clinton em questões de liberdade de expressão enquanto eram Secretárias de Estado dos EUA, disse que ele e sua equipe de engenheiros viram oportunidades de usar o programa em todo o mundo. “Não construímos o Intra para a Venezuela”, apontou. “Mas as ideias saíram do nosso trabalho com venezuelanos.”

O app funciona em todos os dispositivos Android antigos, que ainda são utilizados por milhares de pessoas em todo o mundo, ampliando as proteções incluídas nos últimos modelos. Desde o seu lançamento, Intra foi baixado 130 mil vezes no mundo, segundo a empresa Jigsaw. A Venezuela está entre os três países com mais usuários, acrescentou a empresa, que não identificou os outros dois lugares.

 

Ranking.

A China é considerada o país que menos respeita a liberdade na internet no mundo, seguida de Síria e Etiópia, enquanto a Venezuela está entre os 30 considerados “não-livres” pelas ações do Executivo contra seus críticos nas redes sociais, de acordo com o relatório sobre liberdade de imprensa publicado em 2017 pela Freedom House, um grupo com sede em Washington.

A manipulação dos nomes de domínio foi empregada, junto com outras técnicas de alto nível, para restringir o acesso a sites como El Pitazo e Armando.info, criadas por jornalistas que trabalhavam para jornais independentes que foram adquiridos por empresários pró-governo.

O último jornal opositor do país, o El Nacional, também sofreu bloqueios constantes, como o endereço da filial da CNN em espanhol. “Nosso jornalismo investigativo e de denúncia (contém) elementos que, ao nosso entender, significam para o governo situações muito incômodas”, afirmou César Batiz, diretor de notícias do El Pitazo.

Em um primeiro momento, Batiz tentou confundir os censores mudando de domínio: usou elpitazo.ml (o código de internet para Mali, na África) em vez de elpitazo.com. O endereço sofreu uma importante perda depois de uma reportagem de setembro de 2017 que acusava o chefe do partido socialista, Diosdado Cabello, de utilizar seus primos como rosto para negócios ilícitos. As 70 mil visitas diárias do sítio caíram para apenas 11 mil ao dia seguinte, segundo Batiz. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.