Google sofre impacto após fechar site na China

Google sofre impacto após fechar site na China

Alguns dos principais portais do país deixam de oferecer buscas na internet por meio de ferramenta da empresa

Cláudia Trevisan, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

CORRESPONDENTE / PEQUIM

O Google começou a sofrer ontem o impacto da decisão de fechar seu site na China. Alguns dos principais portais do país deixaram de oferecer a seus usuários a realização de buscas na internet por meio do google.com, em inglês, e do google.cn, que desde segunda-feira é redirecionado para o site da companhia em Hong Kong. O movimento foi iniciado pelo portal Tom Online, do bilionário Li Ka-shing, que nasceu na China continental, mas construiu sua carreira em Hong Kong. Ontem, o China Daily, editado pelo Conselho de Estado, e o Global Times, ligado ao Partido Comunista, também deixaram de oferecer em seus sites a pesquisa na internet por meio do google.com.

Na segunda-feira, o Google anunciou que deixaria de operar o google.cn a partir da China, em razão de sua decisão de não mais censurar os resultados das buscas. A condição para a empresa ter um site no país era a prática da autocensura, com a incorporação a seu sistema de busca das restrições impostas pelo governo chinês.

Com a transferência do site para Hong Kong, o Google deixou de praticar a autocensura, mas as restrições de acesso à informação se mantêm. O usuário que está na China continental continua a encontrar um site idêntico ao google.cn. A diferença é que agora a censura não é mais feita pelo Google, mas pelo governo chinês.

Apesar de os internautas continuarem a ter a possibilidade de acessar diretamente o google.cn - e ser redirecionados para o google.com.hk - a retirada do link direto para o portal de vários sites importantes deverá ter impacto sobre o número de usuários.

A eventual queda no tráfego do portal deverá reduzir a quantidade de anunciantes voltados para o público da China continental.

Isso deverá ter pouco impacto imediato sobre a receita do Google, que faturou no país asiático no ano passado algo estimado em US$ 300 milhões, cifra insignificante quando comparada a seu resultado global de US$ 22 bilhões.

Mas a decisão de transferir o google.cn para Hong Kong deverá prejudicar os planos de expansão da empresa no país que tem a maior população de internautas do mundo, com 384 milhões de usuários.

Ontem, o acesso aos sites do Google a partir da China era irregular.

Repercussão

Duas empresas dos EUA que vendem domínios na internet afirmaram ontem que pararam de registrar novos endereços na China. Segundo as companhias, a decisão foi tomada após o governo chinês começar a exigir fotos e documentos de identificação de seus clientes para o registro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.