Google sofre impacto após fechar site na China

O Google começou a sofrer ontem o impacto da decisão de fechar seu site na China. Alguns dos principais portais do país deixaram de oferecer a seus usuários a realização de buscas na internet por meio do google.com, em inglês, e do google.cn, que desde segunda-feira é redirecionado para o site da companhia em Hong Kong.

AE, Agencia Estado

25 de março de 2010 | 08h35

O movimento foi iniciado pelo portal Tom Online, do bilionário Li Ka-shing, que nasceu na China continental, mas construiu sua carreira em Hong Kong. Ontem, o "China Daily", editado pelo Conselho de Estado, e o "Global Times", ligado ao Partido Comunista, também deixaram de oferecer em seus sites a pesquisa na internet por meio do google.com.

Na segunda-feira, o Google anunciou que deixaria de operar o google.cn a partir da China, em razão de sua decisão de não mais censurar os resultados das buscas. A condição para a empresa ter um site no país era a prática da autocensura, com a incorporação a seu sistema de busca das restrições impostas pelo governo chinês.

Com a transferência do site para Hong Kong, o Google deixou de praticar a autocensura, mas as restrições de acesso à informação se mantêm. O usuário que está na China continental continua a encontrar um site idêntico ao google.cn. A diferença é que agora a censura não é mais feita pelo Google, mas pelo governo chinês. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaGooglecensura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.