Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Google 'sofrerá consequências' se driblar censura, diz China

Site de buscas ameaçou retirar filtros de conteúdo à internet e a finalizar suas operações no país

Efe,

12 de março de 2010 | 10h34

O Google terá que enfrentar as consequências se insistir em violar as leis chinesas de censura na internet, afirmou nesta sexta-feira, 12, o ministro de Indústria e Tecnologia da Informação, Li Yizhong. O ministro se referiu à ameaça do site de buscas de parar de censurar conteúdos no país asiático, onde as páginas que podem ser acessadas pelos internautas passam por diversos filtros.

 

"É irresponsável e pouco amistoso o Google insistir em fazer algo que viola as leis da China e suas regulações. Se fizer isso, terá que enfrentar as consequências", disse Li em uma entrevista coletiva. O ministro, porém, não quis confirmar se o governo está mantendo negociações com a multinacional americana, limitando-se a dizer que essa era uma "pergunta difícil de responder".

 

Os atritos entre a China e o Google começaram em janeiro, quando o site ameaçou deixar o mercado chinês após denunciar um ataque de hackers chineses contra contas de e-mail de dissidentes, jornalistas e empresários. Na ocasião, a multinacional acusou o governo de estar envolvido na ação e disse que só manteria os negócios no país se o regime comunista deixasse de exigir a censura de conteúdos na China.

 

O Ministério de Assuntos Exteriores admitiu que mantinha um canal de comunicação com o Google, cujo executivo-chefe, Eric Schmidt, assegurou na quarta-feira que há contatos em curso e que, "em breve", o resultado dessas negociações será anunciado.

 

Nesta semana, o Google reiterou sua decisão de parar de censurar os resultados de buscas feitas na China e assegurou que estava "preparado" para deixar o país.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaGoogleinternetcensura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.