Gorbachev diz que relações EUA-Rússia estão à beira de crise

O ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev advertiu nesta sexta-feira que as relações entre russos e americanos estão à beira da crise e culpou os Estados Unidos, afirmando que o país tem manejado mal seu papel como a única superpotência do mundo depois do colapso da União Soviética.Na véspera da reunião de cúpula do Grupo dos Oito (países industrializados) em São Petersburgo, Gorbachev pediu que o presidente americano, George W. Bush, trate o colega russo, Vladimir Putin, em pé de igualdade. "Não somos seu irmão mais novo", disse ele, referindo-se aos Estados Unidos. "E nunca perdemos uma guerra para eles."Em entrevista à rádio Ekho Moscou, Gorbachev afirmou que, em algum momento depois do colapso soviético de 1991, os EUA "basicamente começaram a propor um império americano", acrescentando que os esforços do país "para comandar, para dominar" deram errado. "Não funcionou para eles", disse o ex-presidente.Gorbachev sugeriu que o governo dos EUA começou a experimentar uma nova abordagem, envolvendo mais consultas a outros países. "Depois de passar pela Iugoslávia e pelo Iraque, eles sentiram que, no fim das contas, a liderança só pode existir se incluir a parceria." Ele afirmou que as relações EUA-Rússia chegaram a um "estado pré-crise".Gorbachev, que ficou sem emprego quando a União Soviética ruiu, tem oferecido repetidamente apoio a Putin e criticado duramente Boris Yeltsin, o presidente russo que o sucedeu no Kremlin.A Rússia se torna cada vez mais agressiva sob o governo de Putin, cuja presidência sucedeu um período de caos e coincidiu com um forte crescimento econômico alimentado principalmente pelos altos preços do petróleo. Putin tem manifestado profundo ressentimento com o que identifica como esforços dos EUA para interferir nos assuntos russos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.