Gorbachev e Yeltsin continuam em baixa ,12 anos depois

Doze anos após um grupo de comunistas de linha dura tentar derrubar o líder soviético Mikhail Gorbachev, boa parte dos russos acha que, se eles pudessem retornar àquele tempo, não apoiariam nenhum dos principais atores do dramático acontecimento que acelerou o colapso da União Soviética, mostrou uma pesquisa sobre o episódio divulgada no dia de seu 12º aniversário esta terça-feira. Cerca de 13% dos interrogados na sondagem da agência Romir disseram que apoiariam o então presidente russo, Bóris Yeltsin. que liderou a resistência à tentativa de golpe, enquanto 10% dos entrevistados dariam seu apoio aos golpistas e 8% apoiariam Gorbachev. Mas a maioria dos consultados - 54% - disseram que não dariam seu apoio a nenhum deles. Os acontecimentos de 19 de agosto de 1991 enfraqueceram Gorbachev, provocando a queda do império soviético e colocando Yeltsin na liderança da nova Rússia, ou Federação Russa. Yeltsin gozou de início de grande prestígio , mas sua popularidade foi caindo ao longo de seus dois mandatos como presidente, à medida que as dolorosas reformas econômicas deixou grande parte da população desiludida a respeito da democracia e do capitalismo. A Romir disse ter ouvido 1.500 cidadãos entre 7 e 11 de agosto e que o levantamento tem uma margem de erro de 2,6%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.