Governador americano impõe moratória à pena de morte na Pensilvânia

Democrata, que foi recém-eleito, chamou o atual sistema de punição capital 'sujeita a erros, cara e tudo mais, menos infalível'

O Estado de S. Paulo

13 de fevereiro de 2015 | 15h47

WASHINGTON - O recém-eleito governador da Pensilvânia, Tom Wolfe, impôs uma moratória à pena de morte no Estado americano e chamou o atual sistema de punição capital "sujeita a erros, cara e tudo mais, menos infalível".

Wolf disse nesta sexta-feira, 13, que a moratória vai permanecer pelo menos até ele receber o relatório de uma comissão legislativa que está estudando o tema há cerca de quatro anos.

O Estado americano da Pensilvânia tem 183 homens e duas mulheres no "corredor da morte".

O Esatado executou apenas três pessoas desde que a Suprema Corte dos EUA restaurou a pena de morte em 1976 -- a última delas em 1999. Todas as três abriram mão voluntariamente de apelar da pena.

O anúncio do democrata cumpriu uma de suas promessas de campanha. Ele disse, durante a disputa com o ex-governador republicano Tom Corbett que pretendia emitir essa ordem. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EUApena de morteTom Wolfe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.