Governador chileno tenta proibir uso de minissaia

A proibição do uso de minissaias não durou muito no Estado chileno de Coquimbo, onde um governador enfrentou protestos de mulheres que geralmente apoiam sua visão conservadora. Sergio Gahona havia proibido que as funcionárias públicas usassem minissaias ou expusessem seus ombros no trabalho.

AE-AP, Agência Estado

18 de agosto de 2010 | 17h33

Ele disse que estava apenas tentando "colocar as coisas em ordem" e não restringir a liberdade das pessoas. Mas a ministra de Assuntos Femininos, Carolina Schmidt, chamou a proibição de piada.

A senadora Evelyn Matthei disse que vai continuar a usar minissaias para mostrar suas "belas pernas" e iria pessoalmente protestar caso a proibição continuasse. Um assessor do governador, Ivan Espinosa, disse que a ordem a respeito da apresentação pessoal das mulheres era excessiva e seria corrigida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.