Governador diz 2 bombas foram usadas no ataque em Boston

O governador de Massachusetts, Deval Patrick, disse que nenhuma bomba não detonada foi encontrada nas proximidades do trajeto da maratona de Boston e que os dois explosivos que mataram três pessoas - dentre elas um menino de oito anos - e deixaram cerca de 150 feridas foram os únicos usados no ataque realizado na segunda-feira.

Agência Estado

16 de abril de 2013 | 12h05

Patrick declarou que é "importante esclarecer que apenas dois artefatos explosivos foram encontrados ontem" e que nenhuma bomba ou artefato foi encontrado após as duas explosões de segunda-feira.

As investigações do FBI estavam em pleno andamento nesta terça-feira. Autoridades colocavam em prática um mandado para buscas numa casa de um subúrbio de Boston, além de pedirem a ajuda da população, para que encaminhe qualquer arquivo de vídeo, áudio ou imagens das explosões.

Os artefatos explodiram com intervalo de apenas alguns segundos perto da linha de chegada. O agente especial do FBI responsável pelo caso, Richard DesLauriers, disse que não há novas ameaças conhecidas e que os agentes seguem uma série de pistas para esclarecer o caso. Segundo o jornal espanhol El País, DesLauriers disse que uma "investigação internacional" sobre o caso será iniciada.

O agente do FBI declarou também que nenhuma ameaça foi feita antes dos ataques e que os agentes já começaram a recolher provas para estabelecer quem realizou o atentado, mas lembrou que a investigação pode levar algum tempo.

Hospitais da região informaram que pelo menos 144 pessoas ficaram feridas, das quais 17 estão em estado grave. Pelo menos oito crianças estão internadas nos hospitais.

Autoridades disseram que nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque, realizado durante um dos mais famosos feriados cívicos da cidade, o Dia do Patriota. O Taleban paquistanês, que ameaçou realizar ataques em território norte-americano por causa do apoio norte-americano ao governo do Paquistão, negou nesta terça-feira qualquer participação no ataque.

Na segunda-feira, o presidente Barack Obama foi cuidadoso ao não usar as palavras "terror" e "terrorismo" ao falar sobre o caso, mas funcionários do governo disseram que os ataques são tratados como um ato de terrorismo.

"Vamos encontrar quem fez isso. Vamos descobrir por que eles fizeram isso", afirmou o presidente. "Qualquer indivíduo ou grupo responsável vai sentir o peso da justiça."

Uma autoridade europeia do setor de segurança disse nesta terça-feira, nos Estado Unidos, que evidências iniciais indicam que os ataques não foram realizados por suicidas. "Até agora, os investigadores acreditam que (o ataque) não foi trabalho de suicidas, mas ainda é muito cedo para descartar isso completamente", disse a fonte, que falou em condição de anonimato.

A maratona de Boston é uma das corridas mais famosas e antigas do mundo, com participação de cerca de 23 mil atletas. A corrida de segunda-feira homenageou as vítimas do ataque a uma escola primária de Newtown, em Connecticut, que deixou 26 mortos em dezembro. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAmaratonaexplosãogovernador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.