Governador do Mississippi sanciona lei para substituir bandeira do Estado com símbolo confederado

Governador do Mississippi sanciona lei para substituir bandeira do Estado com símbolo confederado

Comissão projetará uma nova bandeira e os eleitores dirão se a aprovam ou não nas eleições de novembro

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2020 | 20h29

JACKSON - O governador do Mississippi, Tate Reeves, assinou nesta terça-feira, 30, um projeto de lei para substituir a atual bandeira do Estado americano que inclui o símbolo dos confederados, um gesto desencadeado pela campanha em todo os Estados Unidos para se desmantelar símbolos de escravidão e racismo. 

A remoção da bandeira, uma fonte de controvérsia há muito tempo em um dos Estados separatistas do sul que lutaram na Guerra Civil americana de 1860, ocorre após o caso de George Floyd, um negro morto sob custódia policial em Minnesota.

A morte de Floyd provocou protestos em todo o país contra a injustiça racial e a brutalidade policial, e reavivou as demandas pela remoção de estátuas dos líderes confederados, de Cristóvão Colombo e outras personalidades consideradas símbolos do racismo e da opressão colonial.

"Entendo a necessidade de ligar a bandeira de 1894 com a história e encontrar uma bandeira que seja um emblema melhor para todo o Mississippi", disse Reeves em um discurso televisionado. "Devemos entender que todos os que querem mudanças não estão tentando apagar a história."

A medida assinada pelo governador republicano em seu primeiro-mandato também criou uma comissão para projetar uma nova bandeira do Estado. Os eleitores terão a oportunidade de aprovar o projeto em novembro, de acordo com um comunicado do gabinete de Reeves.

A bandeira do Estado, que tem como destaque a chamada bandeira de batalha confederada, esteve hasteada sobre o edifício do Capitólio, em Jackson, por 126 anos.

Ela foi retirada no fim de semana depois que os legisladores estaduais aprovaram o projeto, de acordo com a mídia local.

No século 19, os Estados do sul, diante da perspectiva de desistir da escravidão, formaram a Confederação e se separaram do restante dos Estados Unidos, o que levou a uma Guerra Civil entre 1861 e 1865.

Para Entender

O caso George Floyd

Homem negro de 46 anos foi morto por policial branco durante abordagem; desencadeados pelo assassinato, protestos contra o racismo e a violência policial eclodiram nos EUA e no mundo

Os símbolos da rebelião fracassada foram erguidos em todo o sul durante os anos de segregação racial e violência conhecida como era de Jim Crow. Apesar de anos de progresso e direitos civis para os negros americanos, muitos Estados resistiram a remover esses símbolos.

Com um longo passado segregacionista, o Mississippi é o último Estado americano a adotar estes símbolos em sua bandeira, depois que a Geórgia os eliminou de seu panteão em 2003./REUTERS e AFP  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.