Governador do Texas quer Guarda Nacional na fronteira com México

Perry pediu que medidas do governo nacional americano para conter o fluxo de imigrantes ilegais, principalmente crianças

O Estado de S. Paulo

04 de julho de 2014 | 10h17

TEXAS - O governador do Texas, o republicano Rick Perry, pediu na quinta-feira 3 a presença da Guarda Nacional americana na fronteira com o México para deter o fluxo de imigrantes, muitos menores de idade, e pediu a deportação imediata dos que chegarem.

Perry participou em McAllen, cidade próxima da fronteira com o Estado mexicano de Tamaulipas, de uma audiência da Câmara dos Representantes para explicar a autoridades locais as medidas que devem ser tomadas para impedir a chegada em massa de crianças e adolescentes desacompanhados procedentes da América Central.

O governador solicitou ao governo do presidente Barack Obama que reembolse o Texas com US$ 500 milhões, valor relativo aos gastos das autoridades locais para lidar com a pressão migratória desde 2005.

As autoridades de McAllen enviaram uma equipe de emergência para fazer frente à incapacidade de lidar com o grande volume de imigrantes ilegais, disseram à Agência Efe fontes do condado. Veículos da Guarda de Fronteiras e forças de segurança locais, torres móveis, iluminação, cercas e até dirigíveis com câmeras de alta definição monitoram os arredores de McAllen e o rio Grande.

Perry se mostrou contrário à política prioritária de entregar os menores para seus familiares nos EUA e disse que isso servirá apenas como incentivo para que mais crianças tentem viajar do México até a margem do rio Grande, onde arriscam suas vidas para chegar aos EUA. "A mensagem deve ser: 'Se você vem para os EUA será deportado, não poderá entrar'."

Alguns congressistas que participaram da audiência lembraram Perry que as crianças que atravessam a fronteira costumam se entregar voluntariamente, por isso uma maior presença policial ou militar não vai dissuadi-los de tentar migrar e pedir asilo por medo da violência em seus países./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.