Julio Cortez/AP
Julio Cortez/AP

Governador do Texas usa carros para fazer 'parede de aço' contra haitianos

O republicano Greg Abbott diz estar tomando 'medidas sem precedentes' à medida que milhares de migrantes ainda procuram cruzar para os EUA

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2021 | 05h00

DEL RIO, EUA - O governador do Texas, o republicano Greg Abbott, enviou uma frota de carros do Estado para serem estacionados e alinhados por quilômetros formando uma barricada ao longo da fronteira americana com o México. Ele insistiu que seu governo está tomando "medidas sem precedentes" à medida que milhares de migrantes ainda procuram cruzar para os EUA.

A “parede de aço” de carros, como Abbott a chamou, é apenas a última das imagens contundentes da crise que se desenrola em Del Rio, Texas, onde quase 15 mil pessoas que cruzam a fronteira, muitos haitianos vivendo no Chile e em outras nações sul-americanas, chegaram.

O Departamento de Segurança Interna está investigando relatos de que agentes da Patrulha de Fronteira a cavalo tentaram agarrar migrantes e empurrá-los de volta para o México, capturados em cenas registradas no domingo ao longo do Rio Grande.

“O que fizemos, colocamos centenas de carros do Departamento de Segurança Pública do Texas e criamos uma parede de aço - uma parede de aço de veículos - que impedia qualquer pessoa de cruzar aquela barreira pela qual você viu pessoas passarem”, disse Abbott à Fox News em uma entrevista terça-feira. “Nós efetivamente recuperamos o controle da fronteira.”

Abbott há muito defende a construção de um muro de fronteira físico no Texas, uma das principais prioridades do presidente Donald Trump, além do uso de "cercas estratégicas".

Ele criticou o governo Biden enquanto insistia que seu Estado continuaria a agir, inclusive injetando US$ 2 bilhões para o financiamento da segurança da fronteira. “Foi o Estado do Texas que teve de se esforçar”, disse Abbott na terça-feira em uma entrevista coletiva de Del Rio. “O não cumprimento das leis que existem nos EUA leva ao caos e o caos leva à desumanidade.”

A administração Trump completou mais de 724 quilômetros de cercas de amarração de aço de 5 a 9 metros cobertas com placas anti-escalada ao longo de trechos da fronteira internacional, mas os planos foram amplamente criticados como xenófobos, caros e tendo pouco impacto na crise.

O presidente Joe Biden, por sua vez, tomou medidas para deixar de investir no muro físico da fronteira entre o México e os EUA. Em seu primeiro dia no cargo, ele interrompeu a construção do muro e instruiu sua administração a estudar as possibilidades de reaproveitar o financiamento do projeto. No entanto, ele sinalizou que fazer cumprir a fronteira usando tecnologia e pessoal continua sendo uma prioridade.

A última crise na fronteira marcou um novo ponto de inflexão nas lutas do governo Biden com a política de imigração.

Enquanto Biden enfrenta ataques externos de Abbott e outros republicanos que retratam suas políticas como fracas e ineficazes, muitos ativistas pelos direitos dos imigrantes dizem que Biden não cumpriu seus votos de campanha para defender estrangeiros vulneráveis ​​que buscam uma vida melhor nos EUA.

Biden recentemente também causou um alvoroço em seu partido quando se recusou a aumentar o limite anual para refugiados antes de finalmente concordar em fazê-lo, após uma reação crescente de democratas furiosos.

Durante este último momento de imigração, funcionários da Casa Branca lutaram na terça-feira para explicar as imagens marcantes de agentes de fronteira tratando duramente os migrantes haitianos e tentando forçá-los a atravessar o Rio Grande para o México.

“O que vi retratado sobre aqueles indivíduos a cavalo tratando os seres humanos como eles foi horrível”, disse a vice-presidente Kamala Harris, a quem Biden encarregou de assumir a liderança nas questões de migração. “Estou profundamente preocupada com isso”, acrescentou ela, expressando apoio à investigação do Departamento de Segurança Interna prometida na segunda-feira.

O secretário de Segurança Interna Alejandro Mayorkas também disse na terça-feira que as atividades dos agentes foram interrompidas enquanto as investigações estavam em andamento. “Os indivíduos que são objeto da investigação estão atualmente em funções administrativas”, tuitou Mayorkas. “Eles não estão executando suas outras funções de aplicação da lei e não devem interagir com outros migrantes.”

Em meio ao furor com as imagens da fronteira, Biden enfrenta reação democrata contra a imigração

O governo Biden está se preparando para quase dobrar o número de haitianos deportados do Texas para o Haiti a partir desta quarta-feira, disse ele, usando uma cláusula de emergência do código de saúde pública dos EUA conhecido como Título 42, que permite às autoridades contornar os procedimentos usuais de imigração.

No entanto, histórias de haitianos desesperados dormindo sob a ponte da fronteira em Del Rio impressionaram muitas pessoas.

Dezenas de haitianos acampados na pequena cidade fronteiriça do Texas estão retornando a um país destruído, lutando com as consequências de um assassinato presidencial, um terremoto mortal, o agravamento da insegurança alimentar e o aumento da anarquia social em meio a uma tomada de território por chefes de guerra de gangues.

Vários deportados - incluindo um que chegou segunda-feira e cinco outros que chegaram na terça-feira - disseram ao  Washington Post que eles e "muitos" outros deportados foram algemados durante o trânsito, inclusive em voos, com um descrevendo o fato como sendo acorrentado "como um escravo".

O secretário de Estado Antony Blinken disse na segunda-feira que conversou com o primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, para discutir a "repatriação segura de migrantes haitianos na fronteira sul", junto com os "grandes riscos” representados pelo que ele chamou de migração irregular.

Estimativas das autoridades no fim de semana indicam que o acampamento improvisado sob a ponte abrigou mais de 14 mil pessoas. Durante a visita de Abbott na terça-feira, ele disse que a contagem mais recente no campo foi de cerca de 8,6 mil migrantes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.