Governador republicano do Wisconsin sobrevive a voto

O governador do Estado do Wisconsin, o republicano Scott Walker, sobreviveu a uma tentativa de afastá-lo do poder durante uma eleição estadual que ocorreu na terça-feira, mostraram os dados oficiais nesta quarta-feira. Walker, que retirou direitos dos sindicatos, obteve 55% dos votos, ante 44% que foram para seu opositor, o democrata Tom Barrett. A votação culminou 15 meses de disputas políticas no Wisconsin, onde Walker removeu em março de 2011 uma lei que garantia direitos coletivos de barganhas de salários aos sindicatos dos funcionários públicos.

AE, Agência Estado

06 de junho de 2012 | 14h59

"Juntar novamente o nosso Estado levará algum tempo, mas eu espero começar logo agora", disse Walker em comunicado após ser declarado vencedor. "É a hora de deixar as diferenças de lado e encontrar maneiras para levar o Wisconsin adiante", falou o governador republicano.

A disputa no Wisconsin drenou mais de US$ 63 milhões de recursos nacionais dos partidos Democrata e Republicano e trouxe ao Estado políticos de todo o país. A eleição no Wisconsin foi considerada a segunda mais importante nos EUA neste ano após a presidencial, que acontecerá em 6 de novembro.

Walker insistiu que limitar o poder de barganha dos sindicatos dos servidores públicos, bem como obrigá-los a pagarem mais por seus planos de pensão e de saúde, era algo necessário para cobrir um rombo de US$ 3,6 bilhões no orçamento estadual. Os sindicatos disseram que foram tratados como bodes expiatórios pelos problemas fiscais do governo, que eles não criaram.

O ex-presidente dos EUA, o democrata Bill Clinton, disse que uma vitória de Walker iria alimentar movimentos contra os sindicatos nos EUA. "Todos os que botaram dinheiro nessa campanha (na de Walker), agora irão dizer: ''vamos quebrar cada sindicato na América''", disse Clinton, que fez campanha para Barrett na semana passada. Walker, de 44 anos, é um político do movimento ultraconservador Tea Party.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.