REUTERS/William Urdaneta
REUTERS/William Urdaneta

Governadora de Roraima pede a Temer atuação do Exército no policiamento

Em discurso, Suely Campos diz que o crime organizado se aproveita da vulnerabilidade dos venezuelanos para trazer drogas e armas ao País

Cyneida Correia, Especial para o Estado

12 Fevereiro 2018 | 15h27

Boa Vista - A governadora de Roraima, Suely Campos, discursou nesta segunda-feira, 12, pedindo que o governo federal tome várias medidas a favor do Estado e denunciando que o crime organizado está se aproveitando da vulnerabilidade dos venezuelanos para trazer drogas e armas.

"Existe a conexão com o crime organizado comandado por venezuelanos, entrando na esfera da segurança nacional", disse após se reunir com o presidente Michel Temer.

Suely entregou um documento com 11 medidas que pretendem minimizar o impacto causado pelo alto número de imigrantes venezuelanos que chegaram a Roraima nos últimos meses. Entre as propostas, estão o aumento de efetivo da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), além da atuação do Exército brasileiro no policiamento ostensivo em Pacaraima, cidade que faz fronteira com a Venezuela.

+++ Temer embarca para Roraima para discutir fluxo de refugiados venezuelanos

Além disso, foram pedidas ações mais rigorosas de controle de entrada de pessoas pela fronteira e a doação de veículos e equipamentos para aprimorar o trabalho das forças de segurança de Roraima. Mais cedo, Temer chegou à base aérea e seguiu com a comitiva direto para o Palácio Senador Hélio Campos, onde se reuniu com a governadora e autoridades do Estado. 

A crise migratória foi um dos principais assuntos da reunião, que aconteceu cinco dias após a visita dos ministros da Justiça, Torquato Jardim, da Defesa, Raul Jungmann, e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Sérgio Westphalen.

Esta é a terceira vez que um presidente é recebido pela governadora Suely Campos. Nas duas primeiras vezes, Suely recebeu a então presidente Dilma Rousseff para a entrega de casas do Programa Minha casa, Minha Vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.