Afp
Afp

Governistas reúnem 300 manifestantes na capital

Participantes celebraram o 66.º aniversário da independência do país e manifestaram apoio ao presidente Bashar Assad

Lourival Santanna, Enviado Especial, O Estado de S. Paulo, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2012 | 03h06

DAMASCO - Cerca de 300 pessoas reuniram-se ontem diante do Banco Central da Síria para celebrar o 66.º aniversário da independência do país (em relação à França) e manifestar apoio ao presidente Bashar Assad. Para muitos, a independência síria está em jogo, em razão do que consideram pressões externas para a mudança do regime.

Sob um imenso pôster de Assad, que cobre boa parte da fachada do BC, rapazes, moças, soldados fardados e voluntários de grupos de jovens dançaram ao som de canções que exaltavam a pátria e o presidente.

"Amamos Assad porque ele protegeu o país dos terroristas", disse Ahlam Freij, de 28 anos, funcionária do Real Estate Bank, um banco estatal. "Ele não abrirá mão dos nossos direitos perante Israel." Para o professor de musculação aposentado Suheib Shuaeb, de 52 anos, "a Síria sem Bashar é como tabule sem limão". Shuaeb, identificado pelos opositores como um líder dos "shabiha", forças irregulares que atuam a favor do regime - o que ele nega -, disse que Assad garante escolas e hospitais gratuitos e comida barata para a população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.