Governo afegão confirma 40 mortos em bombardeio americano

Vítimas estavam num casamento; presidente Hamid Karzai condenou ataque ao felicitar Obama pela vitória

EFE,

05 de novembro de 2008 | 15h08

Pelo menos 40 civis morreram e 28 ficaram feridos em um bombardeio das tropas da coalizão liderada pelos Estados Unidos no Afeganistão registrado na segunda-feira, 3, na província de Kandahar, segundo um comunicado da Presidência afegã feito nesta quarta, 5.   O presidente afegão, Hamid Karzai, condenou o ataque, que ocorreu no distrito de Shah Wali Kot, e em sua mensagem de felicitação ao presidente eleito dos EUA, Barack Obama, lembrou a necessidade de evitar baixas entre a população nas operações militares.   Outras 28 pessoas ficaram feridas no ataque, segundo o comunicado de Karzai, que confirmou que entre as vítimas havia mulheres e crianças.   As vítimas estavam em um casamento quando a cidade foi bombardeada, segundo explicou à Agência Efe o chefe do distrito de Shah Wali Kot, Abdullah Popal.   Em um ponto próximo ao local da cerimônia, houve um enfrentamento entre um grupo de supostos talibãs e tropas da coalizão liderada pelos EUA no Afeganistão.   Aviões da coalizão bombardearam a área onde estavam os insurgentes e também o lugar onde o casamento era realizado, segundo a fonte.   Haji Lala, morador de Shah Wali Kot, afirmou à Efe que 35 pessoas morreram em sua cidade, sendo 15 crianças, 17 mulheres e três homens.   O chefe do conselho provincial de Kandahar, Wali Karzai, irmão do presidente do Afeganistão, confirmou que o bombardeio aconteceu após um ataque de insurgentes contra as tropas afegãs e estrangeiras na cidade de Wech Baghtu, em Shah Wali Kot.   Em comunicado, a coalizão americana disse ter iniciado uma investigação para determinar se houve "baixas de não combatentes na zona" segundo o porta-voz Jeff Bender.   O porta-voz talibã Mohammed Yousuf Ahmadi, que cifrou as mortes de civis em 35, disse que os combates começaram quando suas milícias cortaram a estrada entre as províncias de Kandahar e Uruzgan, e que os insurgentes mataram 13 soldados e feriram vários outros.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãobombardeio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.