Governo afegão investiga apoio paquistanês a atentados em Cabul

Agentes do serviço de inteligência afegão estão investigando um possível vínculo entre o Paquistão e os militantes do Taleban que atacaram, na quarta-feira, três ministérios em Cabul, matando 20 pessoas. O anúncio foi feito no dia em que o enviado especial do governo de Barack Obama para o Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, chegou à capital afegã.O chefe da espionagem afegã, Amrullah Saleh, já havia dito que a célula de militantes que atacou Cabul teria enviado pelo menos três mensagens de texto de celulares para o Paquistão momentos antes de iniciar os atentados. O suposto destinatário seria um líder taleban não identificado por Saleh. MUMBAIA ofensiva em Cabul foi comparada aos ataques contra a cidade indiana de Mumbai, que deixaram 164 mortos. Ontem, o ministro do Interior do Paquistão, Rehman Malik, reconheceu, pela primeira vez, que os ataques em Mumbai foram lançados a partir de "águas territoriais paquistanesas".A agenda da primeira visita de Holbrooke ao Afeganistão não foi revelada, mas sabe-se que o enviado de Obama deverá se encontrar com o presidente, Hamid Karzai, para discutir o aumento da violência, a corrupção endêmica e a produção de ópio. Holbrooke foi incumbido de montar a estratégia regional dos EUA para combater os militantes ligados ao Taleban.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.