Governo afegão investigará valas comuns

O governo afegão promoverá uma investigação sobre as valas comuns encontradas por funcionários de uma organização humanitária americana no noroeste do país e que, suspeita-se, contêm os cadáveres de centenas de talebans e membros da Al-Qaeda que morreram sufocados dentro de um contêiner. A informação foi dada por um porta-voz do presidente afegão, Hamid Karzai, logo após um grupo de trabalho das Nações Unidas suspender suas investigações sobre o caso. Os funcionários da Médicos para os Direitos Humanos, que descobriram as fossas em maio passado, disseram que elas podem conter os cadáveres de centenas de prisioneiros mortos quando eram transferidos em um contêiner para a prisão de Shebergan. O centro de reclusão fica no norte do Afeganistão, no setor controlado pelo líder usbeque Rashid Dostum. Centenas de talebans, afegãos e estrangeiros que se renderam perante os milicianos de Dostum no inverno passado, estão detidos no presídio de Shebergan. O porta-voz de Karzai disse que o governo de Cabul está disposto a iniciar uma investigação e, se for necessário, pedir ajuda internacional para levar a iniciativa adiante. "O mundo leva este caso muito a sério, e o mesmo faz o governo afegão", disse o porta-voz. O pessoal da Médicos pelos Direitos Humanos disse ter visitado muitas valas comuns na região e econtrado em duas delas cadáveres de pessoas que morreram "recentemente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.