Governo afegão rejeita exigência do Taleban para libertação de reféns

O governo afegão afirmou ontem que não atenderá à exigência do Taleban de que sejam soltos membros do grupo fundamentalista islâmico em troca da libertação de 22 missionários cristãos sul-coreanos em poder dos radicais. Um porta-voz do presidente afegão, Hamid Karzai, disse que ceder à exigência encorajaria mais seqüestros.O anúncio foi feito no dia em que o Taleban, que já matou dois reféns sul-coreanos, deu um novo ultimato a Cabul: "Se o governo não der uma resposta positiva sobre a libertação de prisioneiros taleban até amanhã às 12 horas (hoje às 4h30 em Brasília), começaremos a matar outros reféns", disse Qari Yousuf Ahmadi, porta-voz do grupo. Ele afirmou que os negociadores afegãos não entraram em contato com o Taleban desde que o segundo refém foi morto, na segunda-feira, e advertiu: "Qualquer tentativa de resgatar os reféns à força colocará a vida dos coreanos em risco."Os sul-coreanos foram seqüestrados no dia 19. O corpo do segundo refém morto, Shim Sung-min, foi encontrado ontem com um tiro na cabeça em Arzoo, a 80 quilômetros de onde ocorreu o seqüestro, na Província de Ghazni. Os parentes dos sul-coreanos seqüestrados pediram em Seul que os EUA negociem com o Taleban para obter a libertação dos reféns.Ainda ontem, a TV Al-Jazira divulgou um vídeo - sem áudio - mostrando um alemão seqüestrado no início de julho pelo Taleban, que exigiu a retirada das tropas alemãs e americanas do Afeganistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.