Governo alemão reafirma amizade com os EUA

O chefe do governo alemão, Gerhard Schroeder, após meses de frieza nas relações com Washington por causa da invasão do Iraque, lançou uma mensagem de lealdade e amizade com os EUA. Em uma cerimônia de comemoração aos 100 anos de fundação da Câmara de Comércio americana em Berlim, Schroeder - que há cinco meses não fala por telefone com o presidente americano, George W. Bush - disse que, a despeito dos desencontros em diversos campos, a aliança militar da Otan "pode contar com a contribuição da Alemanha". Alemanha, França e Rússia se opuseram à invasão do Iraque empreendida pelos EUA e Grã-Bretanha. Schroeder recordou hoje que a Alemanha e os EUA têm por herança uma "amizade vital" baseada nos sólidos fundamentos de experiências e valores comuns. Sem mencionar diretamente a controvérsia sobre o conflito no Iraque, Schroeder se referiu às diferenças entre os dois países destacando que os alemães, devido a sua própria história, são muito reticentes ao emprego da força militar, mas que isso não impede que a Alemanha seja um aliado fiel. Schroeder receberá em 16 de maio em Berlim visita do secretário de Estado americano, Colin Powell, confirmou hoje oficialmente um porta-voz germânico. O chanceler (premier) se reunirá com Powell imediatamente após regressar de uma viagem de seis dias pela Ásia e ambos oferecerão uma entrevista à imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.