Governo americano libera relatório sobre o terrorismo

Líderes da Al-Qaeda perderam parte do controle de suas atividades terrorista devido à prisão e morte de alguns de seus principais líderes, mas o grupo continua sendo a maior ameaça aos Estados Unidos e seus aliados, informou o Departamento de Estado americano nesta sexta-feira. Em seu relatório anual sobre o terrorismo mundial, o departamento afirmou que o Irã é o maior patrocinador do terrorismo, com suas Guardas Revolucionarias Islâmicas e o Ministério da Inteligência e Segurança diretamente envolvidos no planejamento e suporte de atos terroristas. Em resumo, o relatório assinalou a realização de 11 mil ataques terroristas no último ano, resultando em mais de 14.600 mortes. Cerca de 3.500 desses ataques ocorreram no Iraque, o que levou à na morte de 8.300 pessoas. O relatório assinala que Osama bin Laden e outros líderes da Al-Qaeda estão espalhados e fugindo, e afirma que o Afeganistão não é mais um esconderijo seguro para a rede terrorista. "A Al-Qaeda não é mais a mesma organização que era a quatro anos atrás", diz o relatório. Uma nova geração de extremistas, alguns deles sendo treinados pela internet, estão emergindo de células terroristas que são mais regionais e menos planejadas, disse o relatório. Ainda segundo o texto, os esconderijos seguros para que os terroristas planejem e concretizem seus atos tendem a se localizar nas fronteiras entre países com governos ineficazes. O documento cita a fronteira do Afeganistão, a intersecção da Argentina, Paraguai e Brasil, o Mar de Celebes no sudeste da Asia, e a Somália. Os países do leste asiático fizeram um progresso significativo em 2005, criando um ambiente regional inóspito para terroristas, disse o documento. Mas a cooperação venezuelana para o combate do terrorismo continua negligente. Seis países - Cuba, Irã, Líbia, Coréia do Norte, Sudão e Síria - continuam classificados como Estados patrocinadores do terrorismo. Líbia e Sudão, entretanto, receberam créditos por continuarem cooperar com a guerra mundial contra o terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.