Governo angolano prepara desmobilização da Unita

O exército de Angola está se preparando para desmobilizar os rebeldes da Unita e repatriar o grupo guerrilheiro Combatentes Congoleses, afirmou o general Armando Cruz Neto perante o Congresso angolano. O governo se prepara para assinar formalmente na quinta-feira um cessar-fogo no país após quase três décadas de guerra civil. Um acordo preliminar para o pacto foi assinado no sábado por representantes do exército angolano e da Unita. O acordo formal será assinado na capital, Luanda, pelo dirigente interino da Unita, Paulo Lukamba Gato. O general Cruz Neto disse que serão estabelecidos por todo o país centros para a desmobilização de cerca de 50.000 combatentes da Unita e suas famílias. As tropas incluem um número indeterminado de guerrilheiros do vizinho Congo, que se uniram à Unita quando o decano ditador do Zaire, Mobutu Sese Seko, foi derrubado por Laurent Kabila em 1997. Representantes dos EUA, Nações Unidas, Portugal e Rússia estarão presentes nestes centros de desmobilização que serão estabelecidos no país rico em petróleo e diamantes do sudoeste da África. O governo calcula entre seis e nove meses o tempo necessário para reintegrar os rebeldes na sociedade angolana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.