Governo anuncia investimentos na produção de biocombustível

Anúncio coincide com a participação de Obama no Fórum Econômico Rural em Peosta, maior produtor de milho dos EUA

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2011 | 00h00

PEOSTA, IOWA

Cuidadoso para evitar o selo "eleitoreiro", o governo de Barack Obama delegou ontem ao secretário de Agricultura, Tom Vilsack, o anúncio da injeção de US$ 510 milhões na produção de biocombustíveis para aviões e veículos militares e também para meios de transporte comerciais. Mas o momento e o local do anúncio foram os mais adequados a um agrado eleitoral. Foi feito paralelamente à participação de Obama no Fórum Econômico Rural, organizado pela Casa Branca como único evento da visita a Peosta, no Estado de Iowa, o maior produtor de milho dos Estados Unidos.

"Se conseguirmos fazer desse setor uma indústria autossustentável e lucrativa, as pessoas vão continuar nesse negócio, afirmou Vilsack à imprensa. "Não acho que seja só uma faísca. Esse é um compromisso com uma energia real e nova para o futuro."

Vilsack acompanha Obama em seu périplo de ônibus. Por enquanto, a produção de biocombustível para veículos militares se concentrará no etanol de milho. No futuro, migrará para o etanol de celulose, como meio de não reduzir estoques destinados à alimentação. O próprio Obama destacara, na segunda-feira em Decorah, Iowa, sua preocupação com esse tópico.

Segundo Vilsack, essa é a primeira vez que o governo atende as preocupações do setor do etanol. O projeto envolve a produção de um tipo de biocombustível que não exija mudanças nos motores dos veículos militares nem na rede de abastecimento. A Marinha e a Força Aérea americanas seriam os principais clientes e principais supridores de recursos. A iniciativa faz parte do projeto de Obama de tornar os EUA autossuficiente em energia em 2025

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.