Governo argentino dá ordem para tirar seu embaixador do Paraguai

Destituição do presidente paraguaio representa ‘ruptura da ordem democrática’ no Mercosul, segundo comunicado do governo da Argentina

AFP,

23 de junho de 2012 | 20h41

O governo argentino resolveu retirar seu embaixador do Paraguai em resposta ao impeachment contra Fernando Lugo. Segundo comunicado à imprensa do Ministério de Relações Exteriores da Argentina, a destituição do presidente representa "a ruptura da ordem democrática" no Mercosul. O Senado paraguaio, com maioria oposicionista ao então chefe de Estado, decidiu tirar Lugo do poder na sexta-feira, por 39 votos a 4.

 

"Diante dos graves acontecimentos institucionais ocorridos na República do Paraguai, que culminaram com a destituição do presidente constitucional Fernando Lugo e a ruptura da ordem democrática, o governo argentino decidiu retirar seu embaixador em Assunção", afirmou a chancelaria argentina.

Na pequena nota, a Argentina afirmou que a representação diplomática no Paraguai "será dirigida por encarregado de negócios até que a ordem democrática seja restabelecida".

           

Lugo sofreu impeachement na sexta-feira após julgamento de um dia, acusado pela Câmara dos Deputados do país de "desempenhar mal suas funções". O vice-presidente Federico Franco subiu ao poder no lugar dele. Em seguida, a presidente argentina Cristina Kirchner classificou a destituição como "golpe de Estado" que considerou "inaceitável" e antecipou que a Argentina "não reconhece" o novo governo paraguaio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.