EFE
EFE

Governo argentino firma compromisso com empresários para evitar demissões por 90 dias

Macri ameaça vetar projeto de lei, chamado de Compromisso pelo Emprego, pois acredita que ele afastará os investimentos

O Estado de S. Paulo

10 Maio 2016 | 08h38

BUENOS AIRES - Grandes empresários da Argentina firmaram na segunda-feira com o governo um compromisso para evitar demissões no prazo de 90 dias, enquanto avança no Congresso um projeto de lei no mesmo sentido, que o presidente Mauricio Macri ameaça vetar.

O acordo, chamado de Compromisso pelo Emprego, prevê três pontos que os empresários "pretendem cumprir diante do momento de mudança positiva e de transição econômica" do país, destaca o ministério da Produção.

"Quero agradecer este compromisso que assumiram hoje (segunda-feira), que tem a ver com um momento em que todos têm que se unir para que nosso país avance", disse Macri, sem detalhar o conteúdo do acordo, ao falar para empresários e sindicalistas no Salão Branco da Casa Rosada.

O presidente manifestou ainda seu desejo de que "muitos mais firmem (o compromisso) nos próximos dias", sem esclarecer quantos empresários já aderiram à iniciativa.

Segundo o texto, os empresários se comprometem a "não reduzir seus quadros de funcionários durante ao menos os próximos 90 dias", a "elaborar planos de investimentos para promover o emprego" e a "trabalhar com o governo nacional e os sindicatos em uma agenda de desenvolvimento e de melhoria da qualidade do emprego no país, setor por setor".

Os empresários disseram acreditar que "as medidas adotadas pelo governo são adequadas para alentar a criação de novos postos de trabalho".

Por outro lado, eles rejeitaram o projeto de lei já aprovado no Senado e que tramita na Câmara dos Deputados contra demissões, por considerar que "introduz um obstáculo que dificulta os novos investimentos e provocará um efeito exatamente contrário ao que se busca". O governo Macri também rejeita o projeto, que a seu ver afastará investimentos.

A lei estabelece que por seis meses um trabalhador demitido sem justa causa poderá solicitar sua imediata reincorporação ou uma indenização dobrada.

Segundo os sindicatos, desde dezembro, quando Macri assumiu o governo, 100 mil trabalhadores perderam o emprego, sendo 11 mil funcionários públicos. O acordo com os empresários não envolve a suspensão das demissões no serviço público. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.